Reprodução de cavalos - como detectar éguas no cio

Fatores como idade adequada, boa condição nutricional, presença de fotoperíodo longo (16 h/dia) e temperaturas mais quentes são essenciais para que a égua entre no cio

Reprodução de cavalos - como a detectar éguas no cio

 

Fatores como idade adequada, boa condição nutricional, presença de fotoperíodo longo (16 h/dia) e temperaturas mais quentes são essenciais para que a égua entre no cio. Essas condições estão inter-relacionadas, pois é exatamente quando os dias se tornam mais longos e a temperatura aumenta que a pastagem se torna mais exuberante, melhorando o escore nutricional dos animais que tiverem acesso a ela.

Em haras onde as éguas estão com dificuldade de entrar no cio, pode-se estabelecer um programa de luz (20 wts/m2) nas cocheiras, a fim de completar as 16 horas de luminosidade necessárias por dia. A estabulagem à noite também evita que as éguas passem frio, o que também é desfavorável ao estro. Esses programas devem começar meses antes da estação de monta para serem efetivos. Pode ser necessário suplementar a alimentação com concentrados, se o escore corporal das reprodutoras não for adequado. Se mesmo assim houver problemas e parte das éguas não apresentar cio, é necessário acompanhamento veterinário.

Durante o cio, a égua fica receptiva ao garanhão, afastando lateralmente os posteriores, elevando a cauda e urinando uma boa quantidade com odor característico

Durante o cio, a égua fica receptiva ao garanhão, afastando lateralmente os posteriores, elevando a cauda e urinando uma boa quantidade com odor característico

Como detectar o cio das éguas

1- Comportamento da égua no cio (ou estro)

Durante o cio, a égua normalmente fica receptiva ao garanhão, afastando lateralmente os posteriores, elevando a cauda e urinando uma boa quantidade com odor característico. Em seguida, ela contrai a parte inferior da vulva, o que expõe o clitóris.

2- Comportamento da égua no diestro

Ela rejeita o garanhão abaixando as orelhas podendo morder e dar coices.

3- Detecção do cio

- Por meio do rufião: o melhor tipo de rufião para a detecção de éguas no cio é o vasectomizado, desde que não o utilize solto junto com as éguas. Os animais criptorquidas também poderão ser utilizados. Deve-se evitar o uso de animais de temperamento excessivamente agressivo e também o uso do garanhão, a fim de se evitar acidentes.

- Sistema Australiano: é um sistema que permite rufiar diversas éguas quase ao mesmo tempo. Neste sistema, as éguas são colocadas uma atrás da outra, com um espaço suficiente entre elas para não serem atingidas por algum coice. Elas ficam separadas do rufião por uma cerca de varas ou de canos de ferro, de tal maneira que o rufião possa manter contato físico com cada uma delas individualmente.

- Ultrassonografia: com o auxílio da ultrassonografia, pode-se detectar os sinais internos de cio, tais como modificações do útero e o desenvolvimento folicular.

4- Formação do corpo lúteo

Depois da ovulação, a cavidade folicular é completada com um coágulo que progressivamente é substituído pelo corpo amarelo ou corpo lúteo produtor de progesterona. Além do corpo lúteo, podem também secretar progesterona, a placenta e a suprarrenal. Ela constitui um fator indispensável no início e na manutenção da gestação. Lamentavelmente, a ausência de cios não indica necessariamente que a égua esteja gestante. Pode ocorrer que não seja destruído o corpo amarelo por deficiência de secreção de prostaglandina e sua presença pode persistir por dois a três meses. A persistência do corpo lúteo (ausência de cios) pode confundir os criadores, levando-os a pensarem em gestação e, com isso, perderem a oportunidade de inseminação. Frequentemente, essa persistência do corpo lúteo sem gestação ocorre no verão e a aplicação de prostaglandinas injetável intramuscularmente resolve o problema.

Idade adequada, boa condição nutricional, presença de fotoperíodo longo (16 h/dia) e temperaturas quentes são essenciais para que a égua entre no cio

Idade adequada, boa condição nutricional, presença de fotoperíodo longo (16 h/dia) e temperaturas quentes são essenciais para que a égua entre no cio


5- Controle do funcionamento ovárico

A sucessão de acontecimentos e de transformações que ocorrem no ovário é controlada pela hipófise, uma pequena glândula localizada na parte inferior do cérebro. Para efetuar esses propósitos nos ovários, a hipófise secreta as gonadotrofinas FSF e as gonadotrofinas LH. O primeiro estimula o crescimento dos folículos e o segundo é responsável pela sua evolução, ovulação e formação do corpo lúteo.

6- Anomalias do funcionamento ovárico

Além das anomalias da persistência do corpo lúteo e da inatividade ovárica sem ovulação, mas com sintomas de cio, temos outras que são mais raras:

- Poliovulação: é sabido que a égua, devido ao tipo de placenta, é um animal que não suporta uma gestação gemelar. Na maioria das vezes morrem os dois, e quando a égua consegue levar a termo a gestação, os potros nascem muito fracos e acabam morrendo. Considerando esse aspecto, as ovulações múltiplas são maléficas, pois podem colocar em perigo até a vida da égua. Por outro lado, para uma boa doadora, isso passa a ser uma vantagem, pois vários embriões poderão ser coletados.

- Cios anovulatórios: são aqueles em que a égua apresenta desenvolvimento folicular com sinais externos de cio, mas sem ovulação. O crescimento folicular pode chegar até a fase pré-ovulatória e depois regride, não havendo ovulação. Como não se forma corpo amarelo, o desenvolvimento folicular retoma seu crescimento em um intervalo mais curto (menor que 15 dias).  Esses casos são raros e regularizam-se sem nenhuma medicação.

- Cio interrompido: o cio pode ser interrompido por um ou mais dias e voltar em seguida. Acredita-se que seja por um problema comportamental (éguas cujos sinais de cio são difíceis de detectar). Pensa-se, também, que possa ser uma consequência dos cios anovulatórios acima descritos.

- Cios silenciosos: vistos especialmente em éguas gordas em lactação, nas quais ocorrem os sintomas internos de cio tais como: desenvolvimento folicular, sinais de hiperemia de mucosa vaginal e ovulação sem, entretanto, demonstrar sinais externos de cio.

Conheça os Cursos CPT, da área Criação de Cavalos, elaborados pelo Centro de Produções Técnicas. Entre os Cursos, destacam-se:

 - Curso CPT Reprodução de Cavalos

 - Curso CPT Passo a Passo da Doma Natural

 - Curso CPT Aparação de Cascos, Correção de Aprumos e Ferrageamento de Cavalos

 - Curso CPT Aprenda a Montar e Lidar com Cavalos

 - Curso CPT Alimentação de Cavalos

 - Curso CPT Como Montar e Manejar um Centro Hípico

Por Silvana Teixeira

Cursos Relacionados

Curso Alimentação de Cavalos Curso Alimentação de Cavalos

Com Prof. Dr. Orlando Marcelo Vendramini

R$ 426,00 à vista ou em até 12x de R$ 35,50 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Como Montar e Manejar um Centro Hípico - Modalidades, Instalações, Manejo Sanitário e Primeiros Socorros Curso Como Montar e Manejar um Centro Hípico - Modalidades, Instalações, Manejo Sanitário e Primeiros Socorros

Com Prof. Dr. Haroldo Vargas

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Aparação de Cascos, Correção de Aprumos e Ferrageamento de Cavalos Curso Aparação de Cascos, Correção de Aprumos e Ferrageamento de Cavalos

Com Prof. Dr. Orlando Marcelo Vendramini

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Reprodução de Cavalos Curso Reprodução de Cavalos

Com Prof. Dr. Orlando Marcelo Vendramini

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Aprenda a Montar e Lidar com Cavalos Curso Aprenda a Montar e Lidar com Cavalos

Com Prof. Dr. Haroldo Vargas

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

HERTON RICHERT

15 de abr de 2018

Tenho uma égua Moura crioula. Quero tirar cria d um cavalo crioulo colorado testa Branca. Qual será a pelagem d filhote

Resposta do Portal Cursos CPT

16 de abr de 2018

Olá Herton,

Para mais informações nossas consultoras entrarão em contato.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Outros artigos relacionados à área Criação de Cavalos

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade