WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Diarreia em potros: o que fazer e como hidratar

Em potros, as diarreias são muito comuns devido à baixa proteção imunológica que estes animais possuem

Diarreia em potros: o que fazer e como hidratar    Artigos Cursos CPT

 

Setenta por cento do corpo de um cavalo é formado por líquidos. Se ele pesa 400 kg, tem 280 kg de líquidos. Se estiver com 5% de desidratação, por exemplo, ele precisa receber 14 L de soro. Se estiver com 10% de desidratação ele vai precisar de 28 L de soro.

As diarreias são uma importante causa da mortalidade em equinos, principalmente de potros. Em cavalos adultos, são mais comuns quando há um consumo exagerado de sal mineral, que geralmente ocorre quando os animais ficam muito tempo sem receber mineralização e encontram um cocho com sal mineral. Ou, ainda, quando recebem capim elefante picado no cocho de capineiras muito novas, com menos de um metro de altura. Ou, ainda, quando têm acesso a uma pastagem muito nova e recém-adubada.

Não raramente, as diarreias em adultos precedem um caso de cólica ou ainda podem estar relacionadas a uma alta infestação de parasitas. Casos de diarreia de origem infecciosa em adultos são raros.

“Em potros, as diarreias são muito comuns devido à baixa proteção imunológica que estes animais possuem”, afirma Haroldo Vargas Leal Júnior, professor do Curso a Distância CPT Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Equinos. A vacinação de potros e de suas mães no último mês de gestação é uma importante forma de prevenção.

Diante de um quadro de diarreia, deve-se observar:


♦ Grau de atenção e estado geral do animal, se está apático ou não, se está mamando e acompanhando sua mãe pelo pasto.
♦ Grau de hidratação, observando se as mucosas estão secas e se a pele está com elasticidade normal.
♦ Intensidade da diarreia (de quanto em quanto tempo defeca), consistência das fezes e coloração das fezes (muito importante) e presença de sangue.
♦ Temperatura retal.
♦ Idade do potro.
♦ Início do quadro de diarreia.
♦ Histórico recente de outras doenças.
♦ Se égua e potro foram vermifugados.

Em seguida, deve-se contatar um Médico Veterinário para que ele diagnostique a causa da doença e prescreva a medicação correta. Caso não consiga contatar o Médico Veterinário, é muito importante manter o animal hidratado através de soroterapia, se o potro for lactente, oferecer leite da mãe e sucedâneo. Se a égua mãe não permitir a ordenha ou não foi boa produtora de leite, pode-se oferecer uma mistura de: 3 partes de leite de vaca + 1 parte de água filtrada adicionados com 1 colher de sopa de dextrose ou 3 colheres de mel puro. Outra opção é preparar uma mistura de 100 g de leite em pó (Sprayfo ou Master Leite Bezerros) em 700 mL de água.

Os sucedâneos que contenham soja não são aconselháveis. Observe também a temperatura do potro. Se estiver frio, aqueça-o com cobertores e avise ao Médico Veterinário, para que ele atenda o animal com urgência. Mantenha o animal no soro, preferencialmente Ringer com Lactato, e se possível aqueça o soro em banho-maria a 40ºC.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


Potros recém-nascidos: o que fazer e cuidados iniciais
- Soroterapia em cavalos adultos e potros: como fazer

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT da área Criação de Cavalos.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!