WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Fale com uma Especialista
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Vacas meio-sangue produzem mais leite? Confira

Vacas meio-sangue de boa origem genética e com excelente manejo têm média de produção superior a 15 kg de leite ao dia, com picos de mais de 20 kg ao longo de até 305 dias de lactação

Vacas meio-sangue produzem mais leite? Confira

 

No Brasil, as raças leiteiras europeias Holandês, Pardo Suíço e Jersey são as mais usadas em cruzamentos para a obtenção de um híbrido meio-sangue excelente para a produção de leite. Essas raças foram selecionadas durante séculos com o intuito de se atingir alta produção, precocidade e eficiência reprodutiva (as novilhas atingem peso à cobrição com pouco mais de 1,5 ano de vida). Em outras palavras, se as vacas meio-sangue têm uma boa origem genética e recebem excelente manejo, mantêm a média de produção superior a 15 kg de leite ao dia com picos de mais de 20 kg ao longo de até 305 dias de lactação, podendo, inclusive, serem manejadas a pasto com baixo nível de suplementação.

Importância do correto manejo das vacas meio-sangue

Quando bem manejadas, as vacas podem apresentar cio fértil menos de 60 dias depois do parto, e produção média diária de mais de 30 kg de leite em uma lactação persistente de até 305 dias. Entretanto, essa seleção aconteceu em regiões de clima temperado, a baixas temperaturas, em sistemas de produção nos quais a alimentação está baseada em concentrados fornecidos no cocho e onde o gado não enfrenta os parasitas típicos dos trópicos. Por isso, no Brasil o gado europeu acaba exigindo condições de manejo semelhantes às utilizadas em países de clima temperado para poder expressar seu potencial produtivo.

Influência das altas temperaturas sobre a produção de leite

As altas temperaturas do ambiente em nosso território levam esses animais ao estresse térmico que se manifesta pela elevação do ritmo respiratório e da temperatura retal e pela redução do consumo de alimentos e de água. Esses problemas metabólicos aumentam a predisposição às doenças e diminuem a resistência a parasitas internos e externos, culminando com a redução da produção de leite.

Efeitos do estresse térmico sobre as vacas meio-sangue

Sob estresse térmico, as vacas preferem permanecer na sombra boa parte do dia, especialmente nos horários de sol forte, o que significa menor tempo de pastejo. Sendo assim, a baixa adaptabilidade torna indispensável amenizar as condições ambientais por meio-sangue do confinamento. Nele as vacas podem permanecer sobre sombra o dia todo e o alimento será servido no cocho.

Influência da dieta alimentar sobre a produção de leite

Alto nível de ração concentrada é fundamental, para que a produção atinja um patamar razoável, enquanto os volumosos mais usados são as silagens e os fenos. Esse manejo vai determinar um aumento substancial nos custos de produção.

Qual raça meio-sangue produz mais leite?

A vaca meio-sangue Europeu Zebu é a que representa os melhores resultados na produção de leite.

Por Silvana Teixeira.
Conheça o Curso CPT Vacas meio-sangue Sangue para Produção de Leite.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!