WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Vacas gestantes? Conheça os cuidados a serem tomados

O feto ganha metade de seu peso nos últimos três meses de gestação da vaca, quando a prioridade para a utilização dos nutrientes da dieta passa a ser o desenvolvimento normal da cria

Vacas gestantes? Conheça os cuidados a serem tomados    Artigos Cursos CPT

 

O feto ganha metade de seu peso nos últimos três meses de gestação da vaca, quando a prioridade para a utilização dos nutrientes da dieta passa a ser o desenvolvimento normal da cria. A vaca gestante utiliza suas reservas, em benefício do feto, caso a dieta apresente alguma deficiência.

“Contudo, dependendo do nutriente e do grau de deficiência, o desenvolvimento do feto poderá ser prejudicado”, afirma Oriel Fajardo de Campos, professor do Curso CPT Bezerras de Raças Leiteiras - Do Nascimento ao Desaleitamento.

Há evidências de que as deficiências de energia, proteína, fósforo, iodo, manganês, cobalto, selênio e das vitaminas A, D e E na dieta da vaca gestante podem causar problemas no desenvolvimento do feto e na quantidade e qualidade do colostro a ser produzido.

Os sintomas dependem do nutriente deficiente, mas normalmente resultam em abortos, natimortos, animais, com defeitos físicos ou, simplesmente, animais que nascem mais leves e com menor resistência aos agentes causadores de doenças.

Recomenda-se que as vacas ganhem em torno de 600 a 800 g/dia, durante o último terço da gestação, usando-se alimentação suplementar se necessário. Portanto, nessa fase as vacas devem estar em boas condições corporais, sendo indesejáveis as condições extremas, vacas muito magras ou vacas muito gordas.

As vacas devem ser “secas” (ter a lactação interrompida) e conduzidas ao pasto-maternidade, 30 a 60 dias antes do parto previsto. Isso possibilitará o descanso da glândula mamária, a produção de colostro de alta qualidade e maior produção de leite na lactação seguinte.

O pasto-maternidade deve ser pequeno, de topografia não acidentada, com boas condições de drenagem, limpo e localizado bem próximo ao estábulo ou de uma residência, para facilitar observações frequentes, alimentação diferenciada e assistência, caso ocorra algum problema por ocasião do parto. Se o produtor usa baias-maternidade, elas devem ser desinfetadas entre cada uso, e mantidas limpas e secas.

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da área Gado de Leite.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!