WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Vaca com mastite? Saiba o que fazer atendendo a IN 77

Saber tudo sobre a mastite é fundamental para pequenos, médios e grandes produtores de leite, e imprescindível para médicos veterinários que desenvolvem trabalhos junto a pecuaristas e laticínios

Vaca com mastite? Saiba o que fazer atendendo a IN 77   Artigos CPT

 

Saber tudo sobre a mastite é de fundamental importância para pequenos, médios e grandes produtores de leite, e imprescindível para médicos veterinários que desenvolvem trabalhos junto a pecuaristas e indústrias de laticínios, fazendo o acompanhamento da produção e recepção do leite de qualidade. É bom ressaltar nesse momento que a mastite nas formas clínica e subclínica é a principal doença responsável por altos índices de CCS no leite.

Quando pecuaristas e veterinários seguem todas as técnicas e procedimentos para o manejo inteligente da ordenha, seguindo as normas estipuladas pela IN 77, entre as quais cita-se a correta higienização dos equipamentos, eles conseguem reduzir os custos e aumentar os lucros reais, uma vez que eliminam o aumento da CCS e CBT”, afirma Leonardo Cotta Quintão, professor do Curso CPT Controle de Mastite (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT) do Leite - De Acordo com a IN 77.

O tratamento para a mastite começa com a identificação do animal acometido no rebanho. Em seguida, dá-se início ao tratamento com intramamário apenas no teto doente. Uma vez iniciado o tratamento com intramaário, o antibiótico cairá na corrente sanguínia e leite da vaca, deixando resíduos que tornam a sua ingestão inviável. Portanto, mesmo que apenas um dos tetos apresente sinais da mastite todo o leite do animal deve ser descartado.

Segregação e descarte de animais


A segregação diminui consideravelmente o risco de transmissão de enfermidades entre os animais do rebanho. Ela deve ser feita observando-se os seguintes pontos:
- Ponto 1: Ordenha ao final.
A ordenha dos animais diagnosticados com mastite deve ser feita em separado, após a ordenha de vacas saudáveis, ou seja, ao final do expediente de ordenha.

- Ponto 2: Sistema balde ao pé.
A ordenha deverá ser feita no sistema de balde ao pé, pois o leite ordenhado deverá ser completamente descartado e não pode chegar ao tanque de resfriamento.

- Ponto 3: Segregação de acordo com a CCS.
É importante separar os animais de acordo com os resultados de CCS individuais cujos resultados são obtidos por meio de análise em laboratório. Animais com índices mais elevados de CCS devem formar um grupo único. O segredo é agrupar os animais com CCS mais elevado e ordenhá-los ao final.

O descarte do leite deve ser realizado respeitando o seguinte período:


- Desde o início, com a identificação dos animais infectados com mastite através do teste da caneca.
- Após o início do tratamento com antibióticos e anti-inflamatórios.
- Durante todo o prazo de carência indicado na bula do antibiótico ou anti-inflamatório intramamário utilizado. O prazo de carência deve ser contato a partir da data da última aplicação do medicamento.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Clínica ou subclínica? Qual forma a mastite se apresenta mais?
- A mastite atacou seu rebanho? Isole os agentes causadores! 

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da Área Gado de Leite.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!