WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Pastoreio voisin na viabilização da pecuária leiteira tropical

Os produtores que ingressaram no programa não têm do que se queixar da atividade leiteira.

A pecuária leiteira nas regiões tropicais do Brasil vive em crise crônica. Os produtores se queixam da insuficiente rentabilidade obtida e não raro põem a culpa no baixo preço pago pelas indústrias. Para resolver esse impasse, foram propostos diversos modelos tecnológicos, todos eles ligados ao uso intensivo de insumos. Os resultados não foram compensadores sob o ponto de vista econômico, apesar do aumento de produção. A elevação dos custos e a demanda de altos investimentos esfriaram o ânimo dos produtores e a situação não se modificou.

Barbosa & Marques S.A., um dos mais antigos laticínios mineiros, trouxe para os trópicos o Pastoreio Voisin, completamente fora de cogitação pela pesquisa oficial e só mencionado nas universidades com, no máximo, meras frases de cortesia. Era a única das alternativas ainda não colocadas à consideração dos produtores, um tanto desconfiados e descrentes.

Como portador da mensagem, durante a Expoagro de Governador Valadares, realizada em 1998 pela União Ruralista Rio Doce, traduzi os principais objetivos dos produtores de leite: a) trabalhar menos como garçom de vaca e faxineiro de estábulo; b) não degradar para não reformar pastagens; c) aumentar a produção; d) diminuir os custos; e) aumentar a rentabilidade; f) comercializar com confiança e tranqüilidade; g) não viver descontente e amargurado; h) usufruir de vida digna e confortável. Os próprios produtores fixaram suas metas. Estariam satisfeitos se alcançassem produção de 7 mil litros de leite e uma renda líquida de R$ 700/ha/ano.

Para que isso seja possível, o pastoreio deveria atender quatro requisitos básicos, os dois primeiros enunciados pelo neozelandês Smetham e os dois últimos pelo autor deste artigo: a) produzir a máxima quantidade possível de massa verde por hectare; b) propiciar que a máxima quantidade de massa verde chegue ao trato digestório do bovino; c) reduzir ao máximo o custo da forragem ingerida; d) manter a perenidade produtiva das pastagens.

Dois anos depois de iniciado o Programa, podem ser mostrados os resultados técnicos e econômicos dos oito produtores pioneiros. A produção anual média de leite que era de 1.636 (de 1.080 a 2.574) passou para 3.163 litros/ha (de 1762 a 4.415). O incremento médio foi de 1.527 litros de leite/ha/ano ou 93%. A produção média por vaca/dia passou de 6,5 litros para 10,8 litros (66% de incremento). O leite produzido com alimento servido no cocho, que era de 40% sobre o total, baixou para 19%. O pastoreio que era responsável por 60% do leite produzido passou para 81%. O custo de produção médio anual de R$ 0,29 baixou para R$ 0,22/litro, 24% ou R$ 0,07 a menos. Com um aumento de 16% no preço do leite pago ao produtor, a renda líquida por hectare passou de R$ 114 para R$506, com um incremento de R$ 392 ou 243%. Os três produtores mais destacados já passaram da meta financeira de uma renda líquida de R$700/ha/ano.

O investimento médio para a montagem de um projeto de 50 ha foi da ordem (R$ 171/ha), entre eletrificadores, cercas elétricas, bebedouros, sombreamentos de áreas de lazer e assistência técnica. A manutenção de cercas, consertos de máquinas e instalações foi de R$ 1.382. As roçadas dos piquetes, tratorizadas e manuais, consumiram R$ 800 nos 50 ha. O total de R$ 10.752 foi amplamente coberto pelos R$ 19.600 de apurados pelo acréscimo na receita e na diminuição dos custos. Em um ano, o projeto se pagou e ainda houve uma sobra de R$ 8.848.

Os produtores que ingressaram no programa não têm do que se queixar da atividade leiteira e não se importam tanto com o preço do leite, regulado pelo mercado e sobre o qual têm tão pouca autoridade. Preferem se concentrar sobre o processo produtivo no interior de suas propriedades, onde têm autoridade total e de onde podem tirar a máxima lucratividade.

O curso "Pastoreio Voisin para Gado de Leite", produzido pelo CPT - Centro de Produções Técnicas, sob a coordenação técnica do professor Humberto Sorio, mostra as técnicas aplicadas nessas fazendas detalhadamente.

 

Prof. Humberto Sorio
Universidade de Passo Fundo – RS.
Especialista em Pastoreio Voisin

Salvar

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!