WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Esquenta Black Friday 25%OFF nos cursos online
Cursos da Área Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo Curso Fabricação de Ração na Fazenda Curso Planejamento Alimentar em Sistema de Pastejo - Para Gado de Leite e Corte Curso Alimentação de Vacas Leiteiras em Pasto e em Confinamento Curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Bovinos Curso Produção de Leite em Pasto Curso Prevenção e Controle de Mastite Curso Pastoreio de Lotação Rotacionada para Gado de Leite e Corte Curso Melhoramento Genético de Gado de Leite Curso Manejo da Vaca Gestante no Parto e Pós-Parto Curso Como Produzir Mais Leite e Mais Bezerras Curso Bezerras de Raças Leiteiras - Do Nascimento ao Desaleitamento Curso Conforto Animal para Maior Produção de Leite Curso Cana Ureia - Alimento de Baixo Custo para Bovinos Curso Sistema Superintensivo de Produção de Leite em Pasto Curso Ordenha Mecânica Curso Shamballah - O Segredo da Alta Produtividade Leiteira Curso Produção de Leite em Confinamento Curso Controle de Carrapato, Berne e Mosca-dos-Chifres Curso Recria de Novilhas para Produção de Leite Curso Formação e Manejo de Capineira Curso Sistemas Silvipastoris - Consórcio de Árvores e Pastagens Curso Criação de Bezerros de Raças Leiteiras para Corte Curso Pastejo Rotativo em Capim-Elefante Curso Manejo Homeopático para Gado de Leite Curso Produção de Leite Orgânico Curso Pastoreio Voisin para Gado de Leite Curso Manejo Sanitário de Bovinos para Produção Orgânica de Leite Curso Vacas Meio-Sangue para Produção de Leite Curso Avaliação, Julgamento e Preparo de Vacas Leiteiras para Eventos Curso Produção de Vitelos Áreas Afins 30Gado de Corte 17Pastagens e Alimentação Animal Depoimentos dos Alunos Alunos de Sucesso Depoimentos Publicações TV Cursos CPT Artigos Notícias Dicas Cursos CPT Entretenimento Beirada de Fogão Melhores Filmes do Cinema Reflexões

Gado leiteiro: aprenda a prevenir e tratar a febre do leite

As vacas leiteiras estão sujeitas à febre do leite no período pós-parto e durante a lactação

Bovino doente - imagem ilustrativa

Bovinocultores devem estar atentos a qualquer sinal incomum que os animais apresentem, pois algumas doenças são facilmente identificáveis precocemente. Também chamada de paresia puerperal, paresia das parturientes, febre vitular e síndrome da vaca caída, a febre do leite é uma doença metabólica que pode acometer vacas de alta e média produção logo após o parto ou a qualquer momento durante o período de lactação.

Luciano Novaes, professor do Curso CPT Manejo da Vaca Gestante no Parto e Pós-Parto, ressalta a importância do manejo da vaca leiteira antes, durante e após o parto para garantir o conforto do animal durante esse processo e evitar a ocorrência de doenças e outras complicações.

A febre do leite é uma afecção causada pela queda do cálcio sérico, chamada de hipocalcemia aguda. Na maioria dos casos, a ocorrência é associada ao parto e ao início da fase de lactação. A maior incidência da febre do leite ocorre nas vacas que estão na terceira ou na quarta lactação.

A hipocalcemia pode acarretar numa série de sintomas, uma vez que o cálcio é um mineral essencial para o organismo. A deficiência de cálcio no periparto ocorre devido à necessidade do mineral para a produção do colostro de leite, sendo possível a incapacidade de suprimento dessa demanda.

Quando os níveis de cálcio começam a diminuir, alguns mecanismos reguladores retiram o mineral dos ossos e o transfere para a corrente sanguínea, uma vez que o organismo da vaca sempre dará prioridade à produção de leite.

A fase de hipocalcemia é sempre associada à parição, mas nem todas as vacas apresentam os sintomas mais severos. Quando o apresentam, há o quadro de febre do leite, que faz com que os animais fiquem mais susceptíveis a outros problemas no pós-parto, como deslocamento do abomaso, retenção de placenta, cetose e mastite. A febre do leite também pode causar a redução da fertilidade das vacas.

Sinais clínicos

As vacas podem apresentar anorexia e dificuldade para andar no início da doença. Além disso, é possível perceber tremores musculares nos membros e na cabeça. Em seguida, elas ficam inquietas e podem ranger os dentes e apresentar rigidez nas patas traseiras.

É comum também que as vacas tenham alteração na temperatura retal, que é modificada devido à perda da capacidade de controle da temperatura central. Há, ainda, alterações digestivas, como a parada da ruminação e a produção constantes de gases, que leva ao quadro de timpanismo.

A rigidez dos membros faz com que as vacas tenham dificuldade em permanecer em estação, então elas costumam cair e permanecer deitadas, o que pode gerar novas complicações, como a diminuição do estado de consciência. A rigidez dos membros pode vir a desaparecer, mas ficarão membros flácidos com extremidades frias.

A falta de tratamento pode causar a parada da circulação sanguínea, também chamada de choque circulatório, causando a morte do animal.

Prevenção

A primeira forma de prevenir a febre do leite é garantir uma dieta adequada para cada situação. É preciso prevenir a hipocalcemia, o que pode ser feito com a aplicação de dietas com maiores níveis de fósforo ao longo da gestação, além da suplementação de cálcio por volta de 2 a 4 dias antes do parto.

Para vacas com déficit nutricional ou com baixa exposição solar, recomenda-se a administração de vitamina D na última semana de gestação. A vitamina D auxilia na metabolização do cálcio, estimula a absorção de nutrientes e aumenta sua concentração no sangue.

A administração subcutânea de cálcio imediatamente após o parto também é recomendada. Além de prevenir a febre do leite, essa reposição ajuda a reduzir o estresse das vacas, auxiliando nas boas práticas de manejo e bem-estar animal.

Diagnóstico e tratamento

Para diagnosticar a febre do leite, é observado o histórico do animal, além da observação dos sinais clínicos.

O tratamento é feito a partir da reposição imediata de cálcio no organismo, que pode acontecer de forma intravenosa ou subcutânea. O tratamento subcutâneo é inadequado para vacas caídas devido à velocidade de absorção reduzida, sendo mais indicada a forma intravenosa nesses casos. Após a reposição de cálcio no organismo das vacas, a melhora ocorre de maneira rápida.

 


Conheça os Cursos CPT da Área Gado de Leite:

Curso Manejo da Vaca Gestante no Parto e Pós-Parto
Curso Como Produzir Mais Leite e Mais Bezerras
Conforto Animal para Maior Produção de Leite

Fonte: Syntec – Syntec.com.br
Por Renato Rodrigues

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!