WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cursos da Área Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo Curso Fabricação de Ração na Fazenda Curso Planejamento Alimentar em Sistema de Pastejo - Para Gado de Leite e Corte Curso Alimentação de Vacas Leiteiras em Pasto e em Confinamento Curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Bovinos Curso Produção de Leite em Pasto Curso Prevenção e Controle de Mastite Curso Pastoreio de Lotação Rotacionada para Gado de Leite e Corte Curso Melhoramento Genético de Gado de Leite Curso Manejo da Vaca Gestante no Parto e Pós-Parto Curso Como Produzir Mais Leite e Mais Bezerras Curso Bezerras de Raças Leiteiras - Do Nascimento ao Desaleitamento Curso Conforto Animal para Maior Produção de Leite Curso Cana Ureia - Alimento de Baixo Custo para Bovinos Curso Sistema Superintensivo de Produção de Leite em Pasto Curso Ordenha Mecânica Curso Shamballah - O Segredo da Alta Produtividade Leiteira Curso Produção de Leite em Confinamento Curso Controle de Carrapato, Berne e Mosca-dos-Chifres Curso Recria de Novilhas para Produção de Leite Curso Formação e Manejo de Capineira Curso Sistemas Silvipastoris - Consórcio de Árvores e Pastagens Curso Criação de Bezerros de Raças Leiteiras para Corte Curso Manejo Homeopático para Gado de Leite Curso Pastejo Rotativo em Capim-Elefante Curso Produção de Leite Orgânico Curso Pastoreio Voisin para Gado de Leite Curso Vacas Meio-Sangue para Produção de Leite Curso Manejo Sanitário de Bovinos para Produção Orgânica de Leite Curso Avaliação, Julgamento e Preparo de Vacas Leiteiras para Eventos Curso Produção de Vitelos Áreas Afins 30Gado de Corte 17Pastagens e Alimentação Animal Depoimentos dos Alunos Alunos de Sucesso Depoimentos Publicações TV Cursos CPT Artigos Notícias Dicas Cursos CPT Entretenimento Beirada de Fogão Melhores Filmes do Cinema Reflexões

Controle sistemático de raiva para atender à IN 77

A raiva bovina normalmente é causada pela mordida de morcegos hematófagos, que atuam como portadores, reservatórios e transmissores do vírus da raiva

Controle sistemático de raiva para atender à IN 77   Artigos CPT

 

A raiva bovina normalmente é causada pela mordida de morcegos hematófagos, que atuam como portadores, reservatórios e transmissores do vírus da raiva. Vale lembrar que, não necessariamente, o bovino picado por um morcego hematófago contrairá a raiva.

“Para que isso ocorra, é preciso que o morcego esteja contaminado com o vírus. O bovino se torna um portador acidental, portanto, a chance de transmissão de um animal para o outro é mínima”, afirma Prof. Leonardo Cotta Quintão, do Curso CPT Como Implementar o Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite para Atender à IN 77. Essa doença se caracteriza por um quadro neurológico fatal, ou seja, um animal que contrai a doença 100% das vezes morrerá. Também conhecida como hidrofobia, a raiva é uma zoonose, e o profissional responsável pelo seu controle é o médico veterinário.

Como o bovino contrai a raiva?


O vírus se encontra em maior concentração na saliva do morcego, e para que a transmissão ocorra é necessário que ela entre em contato com alguma ferida ou mucosa, pois o vírus não é capaz de atravessar a pele íntegra. Existem também relatos de transmissão por via aérea, que pode ocorrer em locais fechados que abrigam animais doentes. Pode-se ainda ocorrer a transmissão acidental para humanos durante a necrópsia de animais contaminados. Após a transmissão, o vírus se desloca para o sistema nervoso, e o curso da doença leva, em média, dez dias. O período de incubação da enfermidade varia de três a quinze semanas.

Sintomas comuns da raiva bovina


Nos bovinos a forma clínica mais comum é a raiva paralítica, entretanto, pode ocorrer casos da raiva furiosa. O animal afetado apresenta uma hipersensibilidade a todos os fatores externos, ocorre uma nítida mudança de hábitos, sendo o principal sinal o isolamento do animal acometido em relação ao restante do rebanho, tremores musculares, salivação abundante e espumosa, andar cambaleante, paralisia dos membros posteriores e evolução da paralisia para os membros anteriores. A morte geralmente ocorre entre 4 ou 8 dias após o aparecimento dos sintomas.

Controle da raiva bovina


A principal forma de controle da doença é a vacinação sistemática de todos os animais susceptíveis do rebanho que, apesar de não ser obrigatório, é altamente recomendado, principalmente nas regiões endêmicas. Antes de iniciar a vacinação, porém, deve-se selecionar as agulhas de acordo com o tipo de vacina: oleosa ou aquosa; e qual a via de administração: entre pele ou via intramuscular. Elas também possuem diâmetros diferenciados: mais grossas para líquidos mais viscosos, como óleo; e mais finas para os menos viscosos.

Após determinar o calibre da agulha, deve-se descartar aquelas que não podem mais ser utilizadas, e selecionar as que serão usadas. Considerando que as agulhas devem ser descartadas a cada 10 animais vacinados, deve-se planejar com antecedência a quantidade de agulhas necessárias de acordo com o número de animais. Deve-se calibrar o estojo para comprovar se está liberando a dose de medicamento necessária. Para isso, o primeiro passo é escolher quantos ml serão utilizados; em seguida, deve-se sugar água com a pistola e aplicar em seringa descartada para verificar se a quantidade liberada é a mesma dosada.

Como realizar a vacinação contra a raiva bocina


Antes de vacinar o primeiro animal, é preciso conferir, na pistola, se a marcação está na dosagem correta. Em caso de ar no revólver, esse deve ser posicionado de modo que a agulha fique para cima; em seguida, puxa-se o mandril para que entre um pouco de ar e empurra-o novamente até a vacina chegue até a agulha, o que significa que todo o ar já foi retirado.

O próximo passo é, com o animal já contido, realizar a aplicação da vacina, que deve ser sempre na região do pescoço, onde a pele se solta com mais facilidade, e, caso corra algum abcesso, é uma carne e tecido de menor valor comercial. O procedimento deve ser realizado fazendo-se uma prega com a pele, procedendo a aplicação em seguida. Terminada a aplicação, é preciso higienizar a pistola dosadora. Para isso, o aparelho deve ser desmontado e, com o auxílio de uma bucha e de detergente neutro, esfrega-se a parte interna e externa de parte por parte, enxaguando, em seguida. Após a lavagem, a pistola deve secar em temperatura ambiente, ficando preparada para a próxima aplicação.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- O que diz a IN77 sobre o armazenamento do leite na propriedade?
- Afinal, qual é o objetivo da IN 77?

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da área Gado de Leite.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!