WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cursos da Área Curso Gestão na Pecuária de Corte Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo Curso Fabricação de Ração na Fazenda Curso Planejamento Alimentar em Sistema de Pastejo - Para Gado de Leite e Corte Curso Nutrição de Bovinos de Corte Curso Alimentação de Bovinos de Corte Curso Como Avaliar Bovinos de Corte para Compra e Seleção Curso Cria de Bezerros de Corte Curso Bovinos de Corte em Confinamento - Instalações, Produção de Alimentos e Escolha dos Animais Curso Instalações e Equipamentos para Pecuária de Corte Curso Como Aumentar a Rentabilidade na Pecuária de Corte Curso Recria de Bezerros de Corte Curso Manejo Racional de Gado para Vaqueiro Curso Bovinos de Corte em Confinamento - Manejo e Gerenciamento Curso Transferência de Embriões e Fertilização in Vitro Curso Prevenção e Controle de Doenças em Bovinos - Verminose Curso Casqueamento e Correção de Aprumos em Bovinos Curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Bovinos Curso Como Fazer uma Estação de Monta Curso Melhoramento Genético de Gado de Corte Curso Técnicas para Produzir mais Bezerros Curso Pastoreio de Lotação Rotacionada para Gado de Leite e Corte Curso Avaliação e Tipificação de Carcaças Bovinas Curso Cruzamento Industrial Red Angus X Nelore Curso Produção de Novilho Superprecoce Curso Produção de Novilho Precoce Curso Criação de Touros Curso Terminação de Bovinos em Pasto Curso Cruzamento Industrial Limousin X Nelore Áreas Afins 31Gado de Leite 17Pastagens e Alimentação Animal 2Produção Orgânica de Leite Depoimentos dos Alunos Alunos de Sucesso Depoimentos Publicações TV Cursos CPT Artigos Notícias Dicas Cursos CPT Entretenimento Beirada de Fogão Melhores Filmes do Cinema Reflexões

Inseminação artificial em bovinos: fatores que levam a ótimos resultados

O sucesso de um programa de inseminação artificial está ligado a fatores que influenciam o desempenho reprodutivo do rebanho

 

Inseminação artificial em bovinos

O aplicador universal de sêmen é um conjunto de metal usado para transpor a cérvix da vaca

Na inseminação artificial, a monta é substituída pela colocação do sêmen no aparelho reprodutivo da vaca, por meio de materiais apropriados. Um desses materiais é o aplicador, que é introduzido na vulva da fêmea, atravessando a vagina e a cérvix, permitindo a deposição do sêmen na entrada do útero. Esse sêmen é diluído para aumentar as chances de fecundação. No entanto, é preciso também que haja um óvulo fértil na vaca.

“De forma geral, a inseminação tenta agir sobre dois aspectos: aproveitar ao máximo os cios da matriz e fazer com que as crias tenham maior potencial produtivo, por conta do uso de sêmen de reprodutores melhoradores, a um custo relativamente baixo”, afirma o professor Luís Fonseca Matos, do curso Inseminação Artificial em Bovinos – Convencional e em Tempo Fixo, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

 

O sucesso de um programa de inseminação artificial está ligado aos fatores que influenciam o desempenho reprodutivo do rebanho, como a sanidade, a nutrição e o manejo da propriedade. Além disso, é fundamental o preparo ou a adaptação de instalações necessárias e o treinamento dos inseminadores. A cada um desses aspectos, deve ser dada a devida atenção.

 

Manejo sanitário

 

Deve-se diagnosticar e controlar prováveis doenças que possam afetar o desempenho reprodutivo dos bovinos, como a brucelose, leptospirose, campilobacteriose, tricomoníase, IBR, entre outras, além de estabelecer um eficiente controle de ecto e endoparasitas. No entanto, para isso deve-se ter apoio de um médico veterinário.

 

Nutrição

 

Deve-se garantir o fornecimento constante de alimentos em quantidade e qualidade. Além disso, deve-se preparar os alimentos para serem utilizados no inverno, na forma de alimentos conservados, como silagem ou feno, ou ainda a utilização de cana-ureia. Da mesma forma, deve-se garantir ao bovino acesso diário à mistura mineral, bem como à água de qualidade.

 

Manejo

 

Deve-se identificar os animais de forma eficiente, permitindo anotações precisas nas fichas individuais. Os registros dos dados devem ser coletados e organizados, permitindo a obtenção de informações importantes para a seleção dos animais. Os animais devem ser separados por lotes para facilitar os trabalhos de observação de cios e condução das vacas até o local de inseminação. Dessa forma, o pecuarista obterá ótimos resultados.

 

Treinamento de pessoal

 

Deve-se treinar rigorosamente o inseminador, pois este é a peça-chave em todo o processo. O inseminador será responsável pela identificação dos animais em cio, inseminação e anotações necessárias. Dessa forma, será fácil atingir elevados níveis de eficiência no programa de inseminação.

 

Materiais de inseminação

 

O inseminador utilizará em seu trabalho uma série de materiais, que deverá ter sempre à mão, em bom estado de conservação e devidamente higienizados. São materiais simples e de baixo custo, mas indispensáveis ao trabalho de inseminação artificial. São eles:

 

- Botijão com nitrogênio líquido: recipiente para o armazenamento do sêmen;

- Sêmen: embalado em palhetas;

- Luvas de palpação: usadas para a proteção do braço do inseminador no ato da palpação;

- Bainhas descartáveis de inseminação: tubos plásticos usados para proteger o aplicador e evitar contaminação do útero;

- Aplicador universal de sêmen: conjunto de metal usado para transpor a cérvix da vaca;

- Termômetro: usado para medir e controlar a temperatura da água usada no descongelamento do sêmen;

- Tesoura ou cortador de palhetas: usada para cortar a extremidade da palheta de sêmen;

- Pinça: usada para retirar a palheta do botijão e evitar queimaduras;

- Ebulidor e caixa de isopor: utilizados para o aquecimento e a manutenção da temperatura da água usada para o descongelamento de sêmen;

- Papel toalha ou papel higiênico: secagem da palheta de sêmen e da vulva do animal;

- Ficha de anotações: para os registros necessários ao manejo do rebanho.

 

Embalagem de sêmen

 

As palhetas são as embalagens mais utilizadas para o sêmen, podendo ser médias ou pequenas. As mais comuns para a inseminação de bovinos são as palhetas médias. Estas são um tubo plástico com 133 mm de comprimento, 2,8 mm de diâmetro e volume suficiente para 0,5 ml. de sêmen. Elas podem se apresentar em diferentes cores, o que possibilita a identificação da raça do reprodutor. Esse tipo de embalagem apresenta vantagens na industrialização do sêmen, permitindo um sensível

aumento na produção (140/hora).

 

Botijão de nitrogênio

 

O botijão é um recipiente térmico com isolamento a vácuo, destinado a conservação do sêmen. Para tanto, ele deve receber nitrogênio líquido, que conserva as doses de sêmen congeladas a uma temperatura de –196ºC por tempo indeterminado, desde que se mantenha o nível mínimo, abastecendo-o periodicamente. A capacidade da maioria dos botijões é de 1.200 doses de palhetas finas ou 600 palhetas médias.

 

Confira mais informações, acessando os cursos das áreas Gado de Leite e Gado de Corte.

 

Por Andréa Oliveira

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!