WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Fale com uma Especialista
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Tudo o que você precisa saber sobre a criação de Agapornis

Apesar de apresentarem criação simplificada, os agapornis requerem conhecimento por parte do criador

Agapornis - imagem ilustrativa

Os agapornis são popularmente conhecidos como os “pássaros do amor”, uma vez que essas aves exóticas criam uma relação vigorosa com seus parceiros. Além desse aspecto, também chamam a atenção pelo visual, dado que suas penas apresentam coloração vibrante, variando em cores e tonalidades.

Paul Richard, professor do Curso CPT Os Segredos da Criação e Comercialização de Agapornis, destaca que os agapornis são de constituição robusta e de criação muito fácil, sendo pouco sujeitos a doenças. Sua criação constitui uma distração encantadora e a venda de seus numerosos filhotes permite um retorno financeiro rápido do investimento feito na atividade.

Em primeiro lugar, é necessário entender que há vários tipos de agapornis e que esses pássaros podem chegar a medir 16cm de comprimento. Se você deseja iniciar a criação dessas aves exóticas, confira informações importantes:

Preparação para criar os agapornis

Em primeiro lugar, assim como em qualquer atividade que se deseje iniciar, é necessário um planejamento. Para isso, avalie suas reais condições, isto é, se você possui os recursos financeiros suficientes e se você dispõe de uma estrutura adequada ou conseguirá construir uma. Esses pássaros são pequenos e frágeis, demandando muita atenção para serem criados.

Vale ressaltar que a cada ninhada, um casal de pássaros consegue criar de cinco a seis pássaros. Logo, também é importante ter um mercado consumidor para o qual serão direcionados os filhotes ou uma estrutura que consiga receber mais aves, que podem ser criadas como reprodutoras (quando se deseja multiplicar mais rapidamente o número de filhotes).

Informações técnicas

Antes de alojar dois pássaros em uma mesma gaiola para que possam se reproduzir, certifique-se de dois pontos cruciais: se são da mesma espécie, pois cruzamentos realizados entre aves de espécies diferentes causam a morte de todos os filhotes na maioria das vezes; e se, realmente, são um macho e uma fêmea – a identificação é difícil, recomendando-se a análise de DNA que é feita com penas de suas asas.

Ainda sobre a reprodução, observa-se que o macho realiza um cortejo da fêmea, alimentando-a. Após a monta, em um período de 3 a 10 dias, a fêmea botará o primeiro ovo e seguirá botando um por dia até que possua entre quatro e seis unidades.

Outro aspecto que merece a atenção em relação à reprodução é o fato de haver consanguinidade: a reprodução não deve acontecer nesses casos, haja vista que as cargas de ADN entre o macho e a fêmea são compartilhadas em 50%, o que pode acarretar, caso haja consanguinidade, em malformação dos filhotes, mortes prematuras ou outros problemas no nascimento.

Alimentação

O fornecimento de uma dieta adequada é vital na criação de agapornis. Recomenda-se que os pássaros sejam alimentados com sementes, frutas, grãos, verduras de cor escura, legumes, ervas e ração própria para eles, vendida em casas de produtos especializados. Ainda, a dieta pode ser complementada com um bloco de cálcio, mas sementes de girassol e aveia não podem ser oferecidas em grandes quantidades devido ao fato de que engordam as aves exóticas.

O espaço

Uma gaiola grande, com espaço suficiente para o ninho de madeira e que possua brinquedos para os pássaros do amor, é o ideal para o desenvolvimento da criação. Para garantir a saúde dos agapornis, essa gaiola deve ser posicionada em área livre de correntes de ar e de mudanças de temperatura e com acesso à luz natural. A colocação de uma banheira na gaiola também se torna indispensável para que haja umidade, necessária para que os ovos possam chocar adequadamente.

Os filhotes

Ovos postos que estejam com a casca quebrada ou que tenham sido bicados devem ser removidos para evitar que o ninho apodreça. Logo após a postura do primeiro ovo, a incubação começa e, por conta disso, a fêmea quase não sai do ninho. Entre 22 a 25 dias após a incubação, os filhotes nascem e a eclosão pode demorar até 24 horas. Nesse momento, não é necessário intervir e os filhotes só podem começar a ser manejados a partir de duas semanas após o nascimento.

 


Conheça os Cursos CPT da Área Aves Exóticas:

Os Segredos da Criação e Comercialização de Agapornis
Criação de Periquitos Australianos
Criação Comercial de Canários de Cor e Porte

Fontes: Meus Animais – meusanimais.com.br
Bicho Ideal – bichoideal.com.br
por Renato Rodrigues

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!