WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Patchwork: criatividade em retalhos

O patchwork é uma atividade excelente para quem quer se dedicar a um hobby ou mesmo para quem quer uma alternativa de renda

 

Patchwork

Há muitos desenhos interessantes e bonitos, em livros e revistas, para você copiar ou se inspirar que darão à iniciante uma boa chance de aprender as técnicas básicas do patchwork
 

O Patchwork é um artesanato que se aproxima da arte devido à beleza e à criatividade das peças. Passadas de geração para geração, as técnicas, que têm suas origens na Europa, vieram para a América com os primeiros colonizadores e já é tradição nos Estados Unidos. As possibilidades de criação são infinitas, constituindo uma atividade excelente para quem quer se dedicar a um hobby ou mesmo para quem quer uma alternativa de renda.

“O investimento nos materiais é muito baixo, além disso as peças de patchwork são muito valorizadas no mercado e você poderá fazer desta a sua atividade profissional”, afirmam as professoras Else Gilbert e Beth Grifth, do curso Patchwork – Técnica e Arte em Retalhos, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

 

COMO ESCOLHER O MODELO PARA O SEU PRIMEIRO PATCHWORK

 

Há muitos desenhos interessantes e bonitos, em livros e revistas, para você copiar ou se inspirar que darão à iniciante uma boa chance de aprender as técnicas básicas. Por onde começar?

 

  •   Procure ter uma noção do todo, olhando revistas ou patchworks já prontos, que lhe darão uma ideia sobre cores e formas. Todo patchwork é formado por blocos. Ao examinar um patchwork, identifique os blocos usados para montá-lo. Qual é a sua configuração?

  •   Aprenda os nomes dos blocos mais tradicionais para que possa identificá-los melhor.

  •   Considere o número de peças que formam cada bloco e os seus tamanhos. Para uma principiante é recomendado um número menor de peças por bloco (até 9) e um tamanho por peça maior que duas polegadas.

  •   Observe o número de peças dos blocos abaixo e analise qual deles é mais fácil de executar?

  •   Considere o seu gosto pessoal. Se o bloco for fácil, mas não for do seu agrado pelo seu efeito visual final, faça a sua opção por outro. O interesse em ver um trabalho que realmente lhe agrada, saindo de suas mãos, vai ajudá-la a superar o maior esforço exigido pelo projeto.

  •   Considere as costuras que terá de fazer: costuras em viés ou em curva apresentarão maior dificuldade. Da mesma forma, modelos que tenham a junção de muitas pontas no mesmo local são mais difíceis de executar. Prefira então blocos cujas costuras serão feitas em linha reta.

COMO COMBINAR CORES PARA O SEU PATCHWORK

 

Disco de Newton

 

  Cores: existem três cores primárias: azul, amarelo e vermelho. No disco de cores, elas estão dispostas em distâncias iguais umas das outras. Entre uma cor primária e outra, existem três cores. A cor do meio é a mistura das duas cores primárias mais próximas em partes iguais. Esta nova cor é chamada de cor secundária. As cores adjacentes à cor secundária são chamadas de cores intermediárias, porque são a mistura da cor primária e da cor secundária, suas “vizinhas” no disco das cores.

  Cores puras: são então 12 cores que, por sua vez, são chamadas de cores puras por não terem adição nem de preto nem de branco.

  Cores claras: são as cores puras adicionadas de branco.

  Cores escuras: são as cores puras adicionadas de preto.

  Tonalidade ou valor: tom é o resultado das variações possíveis de uma cor com a adição de branco ou preto. Podemos ter uma tom mais escuro ou mais claro de verde, por exemplo.

  Cores Complementares: as cores que aparecem em pontos opostos no disco de cores, muitas vezes, uma primária e outra secundária são consideradas cores complementares devido ao efeito visual agradável que produzem. Esta justaposição das cores ditas “complementares” é uma técnica muito usada em decoração para dar um efeito alegre e vibrante. Exemplos: azul e alaranjado, verde e vermelho, amarelo e azul.

  Temperatura: se você observar a natureza, vai descobrir que as cores também têm temperatura. O sol e o fogo, por exemplo, variam do amarelo ao vermelho e são o que temos de mais quente. Por outro lado, as nuvens, o céu, as árvores e a água apresentam variações de verde a azul. Portanto, associamos verde, azul e todas as demais cores associadas a estas duas, no disco de cores, com o frio, enquanto o amarelo, o vermelho (e as demais cores intermediárias a estas) nos dão sensação de calor .

 

As cores saltam aos olhos ou se apagam de acordo com as combinações. Em geral, podemos dizer que as cores escuras, as puras e as quentes avançam ou saltam aos olhos, enquanto as cores claras, frias ou “desbotadas” se apagam ou vão para o fundo.

 

Existem algumas formas tradicionais de combinar cores e estampas:

 

  •   Uma só cor. Vários tons e sobretons, estampados e lisos, são organizados, geralmente, do mais claro para o mais escuro ou formando um contraste escuro/claro;

  •   Duas estampas de duas cores cada. Uma grande riqueza visual pode ser obtida usando duas estampas de duas cores cada que se contrastem como o azul e branco ou o vermelho e branco;

  •   Usando-se um pano de fundo branco ou preto fará com que o trabalho chame atenção. Os tons pastéis não são apropriados para este tipo de combinação, porque não apresentam contrastes o suficiente. Dois tons contrastantes ou duas cores da mesma família podem produzir efeitos agradáveis.

COMO FAZER O “ENCHIMENTO” OU “SANDUÍCHE”

 

Após confeccionar a peça inteira, é hora de fazer o enchimento. Vejamos:

 

  •   Corte o forro com 3 a 4 centímetros a mais que o painel;

  •   Coloque o forro em uma superfície plana, mesa ou chão, com a frente voltada para baixo. Use a fita crepe para assegurar que o tecido não saia do lugar;

  •   Coloque a manta acrílica, também cortada 3 ou 4 centímetros a mais que o painel, por cima do forro;

  •   Coloque o painel de patchwork por cima do enchimento para que tanto o enchimento quanto o forro fiquem visíveis nas bordas;

  •   Comece a alinhavar ou a segurar as três peças juntas, usando alfinetes. Comece no centro e vá colocando alfinetes em espaços de 5 a 7 centímetros. Continue até que o painel esteja preso com alfinetes ao forro e à manta acrílica;

  •   A seguir, marque onde você deverá fazer a quiltagem;

  •   Faça a quiltagem, seguindo as marcações. Provavelmente, você deverá fazer uma quiltagem em cima das costuras do quadrado, portanto evite colocar alfinete em cima da costura;

  •   Retire a fita crepe do forro;

  •   A seguir, corte tiras de 2½ polegadas, usando a largura do tecido. Para saber quantas tiras serão necessárias, é preciso medir a circunferência do patchwork e adicionar mais 8 a 10 polegadas. Depois, divida este total pela largura do tecido para determinar quantas tiras de 2½ serão necessárias;

  •   Emende as tiras, formando uma tira bem longa. Dobre ao meio e passe;

  •   Costure a borda do patchwork (frente e verso), deixando ¼ de sobra na costura;

  •   Borde “na vala”, entre um quadrado e outro, de cima para baixo e de um lado para o outro. Use a linha transparente ou que combine com as cores do patchwork. Tenha o cuidado de usar uma linha que combine com o forro;

  •   Vire a borda para o verso do patchwork e embainhe à mão.

 

Confira mais informações, acessando os cursos da área Arte e Artesanato.

 

Por Andréa Oliveira

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!