Criação de canários da terra - parasitas e doenças mais comuns

A criação de canários da terra é uma prática prazerosa e antes de tudo rentável, desde que o criador tome todos os cuidados necessários para livrar seu criatório de parasitas e doenças comuns às aves

Canário da terra



A criação de canários da terra é uma prática prazerosa e antes de tudo rentável. Obviamente, como toda criação de animais, o que irá ditar o sucesso ou não de um criador é a sua capacidade técnica, ou seja, de nada adianta adquirir excelentes matrizes se o criador não as mantêm de maneira adequada, seguindo parâmetros básicos e cuidando de pequenos detalhes. Entre os detalhes mais importantes, que quando ignorados põem a perder todo o sucesso da criação, estão os cuidados veterinários e as principais pragas e doenças que acometem estas aves.

Para se prevenir doenças, além de alimentação e manejo adequados é fundamental uma perfeita higienização de viveiros e instalações de apoio, tais como cozinha, vasilhames, poleiros e ninhos. Com essas medidas, a presença de bactérias indesejáveis, como Salmonela spp, e fungos nocivos, tais como Aspergillus spp e endoparasitas, é consideravelmente diminuída, reduzindo, assim, mortes por causas diversas. Somente a presença de um tratador por tempo integral no criatório, bem como a constante inspeção dos proprietários e frequente orientação do técnico responsável torna possível a rigorosa obediência das condições de manejo, alimentação, higiene e saúde dos animais.

Parasitas e Doenças mais Comuns



Infelizmente, não há como citar todos os parasitas e doenças possíveis de serem identificadas em virtude da grande quantidade de agentes etiológicos, bem como a especificidade de cada um aos diferentes grupos animais. Em vista disso, abaixo será abordado apenas aqueles agentes mais comuns e ainda não citados acima.

1-Bolba

Doença virótica contagiosa, mais comum em galiformes e passeriformes. Caracteriza-se pelo aparecimento de nódulos de cor castanha, especialmente, na cabeça e patas. Na Bolba diftérica, aparecem placas amarelas na garganta, abaixo da língua e cantos da boca. O tratamento é feito apenas para aliviar os sintomas por meio da cauterização das feridas com iodo ou nitrato de prata. A prevenção deve ser feita através de vacinação com vírus inativado.

2- Doenças causadas por bactérias

As bactérias mais comuns de provocarem prejuízos em criatórios são as gran-negativas, em especial as salmonella spp, Escherichia coli, Klebsiella e Pseudomonas. Geralmente, elas atacam a trato gastroentestinal, mas podem provocar problemas em outros órgãos. A doença pode ser detectada por exame microbiológico de fezes ou de material coletado de aves mortas e necropsiadas. Sob qualquer sinal da presença de bactérias, o criador deverá procurar aconselhamento veterinário. O uso indevido de antibióticos tem causado sérios problemas de resistência bacteriana no homem e demais animais.

3- Doenças de aves causadas por fungos

Os fungos, juntamente com as bactérias, são os maiores problemas enfrentados pelos criadores de aves. Podem atacar praticamente todos os animais, causando diversas enfermidades. As mais comuns são micoses, aspergilosis (Aspergillus fumigatus, A. flavus, e A. niger), e candidíase gastrointestinal (Candida albicans). Falhas na higiene, fatores de stress, idade e condições gerais do animal são importantes para a manifestação de doenças. Animais não sujeitos a tais condições muito raramente manifestam doenças fúngicas.

4- Coccidioses

Trata-se de um parasita que raramente causa problemas em criações de aves ou mamíferos mantidos sob rígidos controles higiênicos, principalmente porque geralmente ficam apenas por cerca de 15 dias no hospedeiro. Assim, um animal pode possuir coccidiose por toda a vida sem manifestar sintomas ou fraquezas. O efeito desse esporozoário é mais perigoso em filhotes, especialmente de Passeriformes (pássaros), Galiformes (galinhas, faisões, pavões etc) e outros. Sendo assim, recomenda-se fazer tratamento preventivo ou curativo com remédios à base de sulfa, nitrofuranos, ionóforos e outros medicamentos coccidiostáticos. Esse tratamento também pode ser feito preventivamente em aves com uma semana de idade especialmente se mantidas em gaiolas.

Conheça o Curso CPT Criação Comercial de Canário da Terra (Chapinha).

Por Silvana Teixeira

Salvar

Cursos Relacionados

Curso Criação Comercial de Curiós e Bicudos Curso Criação Comercial de Curiós e Bicudos

Com Prof. Fábio Hosken

R$ 368,00 à vista ou em até 12x de R$ 30,67 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Criação Comercial de Canário da Terra (Chapinha) Curso Criação Comercial de Canário da Terra (Chapinha)

Com Prof. Paulo Augusto

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Avestruz - Reprodução, Cria e Recria Curso Avestruz - Reprodução, Cria e Recria

Com Prof.ª Dr.ª Miriam Giannoni

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Sandro Martins

14 de jul de 2019

Estou com canário da terra doente. O mesmo está sem vivacidade, fica em um canto da gaiola, não voa muito. Qual doença deve ser?

Resposta do Portal Cursos CPT

15 de jul de 2019

Olá Sandro Martins,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Tem quanto tempo que notou essa mudança de comportamento do canário? Pode não ser nada grave. Observe se ele melhorará o comportamento.

Atenciosamente,
Victor Sampaio

paulo bonette junior

7 de set de 2016

Qual melhor época para criar canário da terra.

Resposta do Portal Cursos CPT

8 de set de 2016

Olá Paulo,

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Ocorre de junho a dezembro. Machos e fêmeas ficam separados na gaiola de cria com grade divisória, a qual deve ser aberta quando o casal iniciar a troca de comida por meio dela. De três a quatro ovos são depositados entre seis e oito dias depois, seguidamente. Há casos de postura em dias alternados, o que colabora para o descanso das mães. Os filhotes nascem, em geral, no 13o dia de incubação.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Outros artigos relacionados à área Animais Silvestres

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade