WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Torne realidade o sonho de viver do que você ama! 20% OFF nos cursos online + 5% OFF pagando no cartão

Cultivo do pinhão-manso para produção do biodiesel

As principais vantagens do cultivo do pinhão-manso são o baixo custo de produção e sua capacidade de ser cultivado em solos pouco férteis e arenosos.

As principais vantagens do cultivo do pinhão-manso são o baixo custo de produção e sua capacidade de ser cultivado em solos pouco férteis e arenosos.

Apontada como uma planta de iminente sucesso no Brasil, em particular no que se refere à inclusão dos pequenos agricultores, o pinhão-manso chega a região Semi-árida como alternativa economicamente viável aos pequenos agricultores e grandes empresários.

O estímulo ao uso das energias renováveis, com destaque para os biocombustíveis, em substituição aos de origem fóssil, tornou-se uma das alternativas frente à questão do aquecimento global. Para tanto, dentre essas se destaca o biodiesel, principalmente o uso da cultura de pinhão-manso.

Espécie nativa do Brasil, da família das Euforbiáceas, exigente em insolação e com forte resistência à seca, é uma cultura viável para pequenas propriedades rurais, com mão-de-obra familiar, sendo mais uma fonte de renda e emprego para a região. Configura-se uma alternativa atraente à produção de óleo para fins energéticos. O resíduo da extração do óleo pode ser usado para recuperação de solos, pois é rica em NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) e depois de desintoxicada é usada como ração animal.

As principais vantagens do cultivo racional do pinhão-manso são o baixo custo de produção e sua capacidade de ser cultivado em solos pouco férteis e arenosos, além da alta produtividade, da facilidade de manejo e de colheita das sementes.

A planta é viável para a obtenção do biodiesel, pois produz, no mínimo, duas toneladas de óleo por hectare/ano, levando de três a quatro anos para atingir a idade produtiva, que se estende por 40 anos. É altamente resistente a doenças e os insetos não o atacam, pois segrega látex cáustico, que escorre das folhas arrancadas ou feridas.

Pinhão-manso é viável para a obtenção do biodiesel, pois produz, no mínimo, duas toneladas de óleo por hectare/ano, levando de três a quatro anos para atingir a idade produtiva.

Pinhão-manso é viável para a obtenção do biodiesel, pois produz, no mínimo, duas toneladas de óleo por hectare/ano, levando de três a quatro anos para atingir a idade produtiva.

Em condições naturais, o vegetal pode alcançar até quatro metros de altura, podendo gerar sua primeira colheita aos cento e vinte dias de plantio e, em condições adequadas, uma colheita a cada seis meses, durante até quarenta anos.

A produção de biodiesel é vantajosa quando feita a partir de qualquer matéria-prima, pois complementa o petróleo, prejudicando menos o meio ambiente. Entretanto, o biodiesel feito a partir do óleo do pinhão-manso destaca-se dos demais pela sua pequena quantidade de desvantagens, quando comparado aos outros insumos. Essa é uma espécie com grande potencial, com alternativas energéticas limpas, a partir da utilização da biomassa. Confere escala e estabilidade para empreendedores que decidam investir no setor, além dos benefícios econômicos e sociais, a colaboração na preservação ambiental que vem se tornando um dos pontos fortes da utilização do biodiesel e de um desenvolvimento sustentável, ajudando na diminuição dos gases formadores do efeito estufa.

O pinhão-manso é uma fonte de renda complementar para a população rural necessitada, devido a seu baixo custo de cultivo, não necessita de agrotóxicos, não contamina o solo, não requer preparo do mesmo nem uso de equipamentos modernos. É muito resistente à seca, tem alta produtividade por hectare e produz um biodiesel de ótima qualidade.

 * Epitácio de Alcântara Freire

Aluno do Curso de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia Agrícola da UFCG – Campina Grande/PB

Dr. Vera Lucia Antunes de Lima

Professora do Curso de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia Agrícola da UFCG – Campina Grande/PB

Artigo publicado na seção Opinião do Grupo Cultivar, em sete de junho de 2010.

**Este artigo reflete as opiniões do autor, e não do Portal de Informações do CPT - Centro de Produções Técnicas. O Portal não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!