Cultivares de pimenta encontrados no Brasil

As diversas variedades de pimenta dominam o comércio de especiarias picantes

Pimenta

  Seu sabor picante origina-se de dois alcaloides ou, mais especificamente, de dois capsainoides: capsaicina e a dihidrocapsaicina

As pimentas pertencem à família Solanaceae e ao  gênero Capsicum, sendo cultivadas principalmente nos estados de  MG, BA e GO e consumidas, principalmente, na forma de conserva de fruto inteiro em vinagre ou azeite.  Sua produção e processamento são valiosos, já que permite o aumento da renda, por área  cultivada, quando comparado a outras atividades isoladas.

Atualmente, as diversas  variedades de pimenta dominam o comércio de especiarias picantes. Além disso, o seu  uso também é muito variado, como em geleias, molhos, temperos, picles, remédios (para artrite – pomadas à base de capsaicina; dores musculares – emplastro “Sabiá”; dor de  dente; má digestão; dor de cabeça; gastrite), entre outros.

“Seu sabor picante origina-se de dois alcaloides ou, mais especificamente, de dois capsainoides: capsaicina e a dihidrocapsaicina, ambas conhecidas como  capsaicina.  Esta é responsável pela pungência das pimentas. Se usada externamente no corpo, gera endorfinas  internamente que promovem uma sensação de bem-estar, acionando o  potencial imunológico”, afirma Roseane Mendonça de figueiredo, professora do curso Produção e Processamento de Pimenta, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

A capsaicina concentra-se na placenta e nas sementes das pimentas. Nas outras partes do fruto, essa concentração é  muito baixa e, consequentemente, o seu grau de ardência. Por esse  motivo, ao tirar as sementes do fruto,  este se torna menos ardido.  De acordo com a concentração de capsainoides , as pimentas podem ser divididas em cinco classes :

Doces (não picantes): pimenta “cambuci”, pimenta cv. Apolo;  
Baixa: pimenta “panca” Peru, pimenta redonda vermelha;
Média: pimenta “jalapenhã”, pimenta-de-cheiro;
Alta: pimenta alongada vermelha, pimenta-de-bode;
Muito alta: pimenta malagueta, pimenta-de-passarinho.

A pimenta é uma cultura que, tradicionalmente, é realizada por  pequenos agricultores, sendo importante fonte de renda no âmbito da  agricultura familiar. A sua comercialização pode ser feita como fruta  fresca, existindo esse mercado no CEASA e nas feiras livres. Mas, por ser  um produto muito perecível, e, normalmente, consumido na forma  processada, a indústria passa a ser um importante mercado.

Cultivares encontrados no Brasil

 Há vários cultivares de pimenta no Brasil

- Pimenta Malagueta (Capsicum frutescens)

Utilizada principalmente para consumo  fresco, no preparo de conservas e molhos, a pimenta malagueta é uma planta arbustiva,  que mede entre 0,90 e 1,20 m. Seus frutos são alongados e, quando maduros, são de coloração vermelha, bem  picantes, com 1,5 a 3,5 cm de comprimento e 0,3 a 0,5 cm de diâmetro. É  produzida em todo o Brasil, em cachos com três a cinco frutos, voltados para cima.  Sua colheita inicia-se aos 110-120 dias após a semeadura.

- Dedo de moça (Capsicum baccatum)

Conhecida por “chifre de veado”, de coloração vermelha mais intensa. A pimenta “dedo de  moça” é uma planta arbustiva, com cerca de 1,0 m de altura. Seu caule é  bastante tortuoso. Já os frutos são alongados, um pouco curvos, medindo  cerca de 7,5 cm de comprimento e 1,0 a 1,5 cm de diâmetro Neste grupo de pimentas a pungência é  mais suave que a malagueta. Da mesma forma, o processo de murchamento do fruto pós- colheita é menos intenso.

- Pimenta Cumari ou Cumarim (Capsicum praetermissum)

Esta possui porte menor que as pimentas  anteriormente caracterizadas e internódios mais curtos. É uma planta  semi-arbustiva, com altura entre 70 e 90 cm. Seus frutos são arredondados,  com cerca de 0,5 cm de diâmetro, ou um pouco ovalados, com 0,6 a 0,7  cm de comprimento e diâmetro de 0,5 cm. É bastante picante e levemente amarga. É encontrada em estado selvagem, crescendo sob árvores  diversas e capoeiras.

- Pimenta-de-cheiro e pimenta-de-bode (Capsicum chinense)

Na realidade, pode ser considerado um grupo em razão da  expressiva e bela variabilidade no formato e cor dos frutos. A pimenta-de-cheiro é encontrada em tom amarelo leitoso, amarelo-claro, amarelo-forte, alaranjado, salmão, vermelho e até preto e é predominante no  Nordeste, Norte e Centro-Oeste brasileiro.  Seus frutos são de formato campanulado, com  peso médio de 12 g.

Na região Sudeste, é mais comum o cultivo da pimenta-de-bode. Esta produz frutos arredondados ou achatados, com cerca de  1,0 cm de diâmetro. As cores creme e vermelho são as mais comuns.  Tanto a pimenta-de-cheiro quanto a de bode possuem pungência e  aroma característicos, que permitem sua diferenciação das demais  pimentas.

- Pimenta biquinho

Vermelha, arredondada e com a ponta em formato de bico. Sua planta  é arbustiva, com altura entre 0,80 e 1,20 m. Tem gosto suave. É cultivada  principalmente na região do Triângulo Mineiro, no estado de Minas Gerais,  sendo consumida mais na forma de conservas.

- Pimenta caiena

O fruto é alongado. Seu comprimento, entre 8,0 e 12,0 cm e diâmetro de  1,0 a 2,0 cm. Sua coloração é verde ou avermelhada. Está entre os tipos  mais fortes e é muito empregada na culinária mexicana. Pode ser  consumida in natura, mas, geralmente, é utilizada na forma desidratada ou  em pó.

Pimenta cambuci

Com formato achatado, tem coloração verde-clara, medindo de 5,0  a 7,0 cm de diâmetro. É um tipo de pimenta mais doce e suave.

Pimenta Tabasco

Essa pimenta é a mais conhecida nos Estados Unidos e tem  sido cultivada no estado do Ceará para exportação, na forma de pasta.  Distingue-se da malagueta pela coloração dos frutos durante a maturação,  passando de verde para amarela ou alaranjada e, só depois, para vermelha.  Seus frutos são picantes, com 2,5 a 5,0 cm de comprimento e 0,5 cm de  largura.

Pimenta-do-reino


É uma planta trepadeira perene e tem sua origem na Ásia,  principalmente na Índia. O Brasil é um dos grandes produtores de  pimenta-do-reino, sendo o estado do Pará o maior produtor.  A pimenta-do-reino apresenta algumas especificidades para o seu  cultivo, mas, de forma geral, este é bastante semelhante aos demais.

Confira mais informações, acessando os cursos da área Agroindústria.

Por Andréa Oliveira

 

 

Cursos Relacionados

Curso Como Produzir Rapadura, Melado e Açúcar Mascavo - Processo Artesanal Curso Como Produzir Rapadura, Melado e Açúcar Mascavo - Processo Artesanal

Com Prof. Dr. José Benício Paes Chaves

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Como Montar Uma Pequena Fábrica de Polpas de Frutas Curso Como Montar Uma Pequena Fábrica de Polpas de Frutas

Com Prof. Raimundo Mororó

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Como Montar uma  Pequena Fábrica de Frutas Desidratadas Curso Como Montar uma Pequena Fábrica de Frutas Desidratadas

Com Prof. Pedro Meloni

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais
Curso Produção e Processamento de Pimenta Curso Produção e Processamento de Pimenta

Com Prof.ª Roseane Mendonça de Figueiredo

R$ 398,00 à vista ou em até 12x de R$ 33,17 sem juros no cartão

Frete Grátis 2 ou mais Cursos
Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Nivaldo Borges

24 de jun de 2013

Gosto muito de pimenta. Parabéns pelo vídeo!!!

Resposta do Portal Cursos CPT

24 de jun de 2013

Olá, Nivaldo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Atenciosamente,

Ana carolina dos Santos

Oiser Mário Milagres

23 de dez de 2012

Estou com dificuldades para encontrar endereços de empresas que comercializam pimenta no CEASA MG.

Resposta do Portal Cursos CPT

26 de dez de 2012

Olá, Oiser!

Ficamos felizes por sua visita e comentário em nosso site.

Recomendamos que procure em mecanismos de pesquisa como o Google para mais informações sobre este tipo de empresa.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Outros artigos relacionados à área Agroindústria

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade