WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Conheça nossos Cursos Profissionalizantes (combos) com 40% de DESCONTO

Champignon - como preparar o composto natural

O composto natural utilizado na produção do Champignon (Agaricus) é formulado com palha de arroz e esterco fresco de cavalo, proveniente das camas de capim da estrebaria

Champignon

O composto natural utilizado na produção do Champignon (Agaricus) é formulado com palha de arroz e esterco fresco de cavalo, proveniente das camas de capim da estrebaria. É importante que se saiba que o esterco, na composição do composto natural, deve corresponder de 20 a 30% do total da mistura. Esta composição apresenta quase todos os nutrientes necessários ao desenvolvimento do Champignon, exceto o nitrogênio, que necessita de suplementação.  
 
Proporção dos itens
 
A proporção usual dos itens que compõem o composto natural para a produção do Champignon é de sete partes de palha para três de esterco, em uma meda mínima de três toneladas ou de acordo com o volume do pasteurizador.  

Formação da pilha ou meda
 
Estes materiais devem ser dispostos em camadas alternadas, formando uma pilha ou meda de 1,80 de largura x 1,80 de altura e comprimento dependente do total de substrato que está sendo processado. Existem várias maneiras para dimensionar o tamanho da meda ou pilha de compostagem em função da área de prateleiras disponível para o cultivo. Uma refere-se à massa do substrato ou composto que, ao final do processo, representa entre 30 e 50% do volume inicial na montagem da pilha, sabendo-se que 1 m3 da massa úmida pesa de 400 a 500 kg ou densidade igual a 0,4 a 0,5.  
 
Suplementos minerais
 
A cada camada, deve-se incorporar os suplementos minerais a lanço ou dissolvidos em aproximadamente 50 litros de água. Para 1 tonelada de composto contendo de 20 - 30% de cama de capim de estrebaria e o restante em capim ou bagaço de cana, deve-se adicionar:  
15 kg de S.A. - Sulfato de Amônia  
30 kg da calcário dolomítico ou calcítico (preferencialmente a calcítico)  
4 kg de superfosfato simples  
10 kg de gesso  
20 kg de farelo de soja, algodão ou esterco galinha  
 
Estes materiais, misturados, devem ser adicionados (de uma única vez) a lanço e bem distribuídos para garantir a homogeneidade da massa. Com o desenvolvimento de novas técnicas de preparo do composto, outros substratos passaram a ser utilizados com sucesso, como os estercos de galinha, coelho, ovelhas, cabras e porco e palhas de trigo, centeio, arroz, aveia, cevada, bagaço de cana, torta de algodão e até capim gordura, entre outros.  

 

Procedência do esterco
 
Para melhorar as propriedades físicas, químicas e biológicas do composto, a procedência do esterco deve ser de um único lugar, onde os cavalos são bem alimentados (sempre com mesma ração), com cama de palha abundante, embebida com a urina do animal mais o estrume. A urina contém nitrogênio a 1,5-2% e potássio a 1 a 1,5%. Enquanto o estrume contém 0,3 a 0,5% de nitrogênio e 0,1 a 0,3% de potássio, daí a importância de não se perder a cama de palha embebida. Deve-se salientar que, apesar da literatura enfatizar a complementação de K nos compostos para cultivo de cogumelos, ratifica-se que esse elemento é dispensável pois é um micronutriente na nutrição microbiana.  
 
Propriedades das fibras
 
As fibras das palhas devem ser elásticas e resistentes para permitirem uma maior circulação do ar na compostagem, evitando o metabolismo de microrganismos anaeróbios estritos, que são os responsáveis pelo mau cheiro, devido à formação de gás sulfídrico (muito tóxico ao cogumelo e aos microrganismos sintróficos que precisam estabelecer-se no composto durante a compostagem e pasteurização). O capim gordura também pode ser usado quando novo, mas deve ser picado e submetido a uma pré-fermentação, porém possui produtividade inferior ao proporcionado pelo composto à base de palha de arroz ou de trigo.  
 
Incorporação de substâncias químicas
 
O fornecimento de substâncias químicas ao composto tem por objetivo melhorar as suas condições físicas e químicas, como o pH, a permeabilidade, a estrutura, a aeração e a própria relação C/N. Esta adição variará com o material utilizado na meda, não existindo recomendações fixas.
 
Influência da umidade na compostagem
 
A umidade também influenciará na compostagem e deve ser de 70%. Para tal deve-se promover a umidificação do composto por meio de uma irrigação abundante durante a montagem da pilha e posteriormente durante as reviragens, caso haja necessidade. Para verificar na prática o teor de umidade, basta espremer o composto com uma das mãos. Se não houver escorrimento entre os dedos, mas molhando as mãos, teremos a umidade adequada. Esta verificação deve ser feita na reviragem da pilha (a cada dois ou três dias). Caso o composto esteja com a umidade abaixo do recomendado, deve ser devidamente umidificado. Por outro lado, se estiver acima, deve-se espalhar o composto sobre o piso para que o excesso de água evapore e haja uma substancial aeração do composto. Esta etapa do cultivo é de extrema importância para o sucesso da produção de cogumelos comestíveis, recomendando-se bastante cuidado no preparo das medas (pilhas de compostagem), visando propiciar condições ótimas de desenvolvimento do fungo e, consequentemente, garantir a produtividade de cogumelos. 

Substratos alternativos
 
Historicamente, o esterco de cavalo parcialmente decomposto tem sido o principal meio para fornecer os nutrientes exigidos no cultivo artificial de Agaricus, porém o conhecimento e o melhoramento de técnicas de preparação do composto como a compostagem e a pasteurização, possibilita o uso de substratos alternativos para a produção de cogumelos. Assim, na França, por exemplo, prepara-se um composto de palha e esterco de ovinos (4:3); outro composto é feito com uma camada de palha, outra de esterco de cavalo, outra de palha, uma de esterco de galinha, outra novamente de palha e outra de esterco de coelho, ovelha ou porco e, ainda, outra de palha, fazendo-se reviradas a cada 3-4 dias, iniciando-se no 6o dia; após 4 semanas o composto estará pronto. A mistura dos diversos estercos pode sempre ser feita, com atenção especial às diferenças entre eles, onde uma parte de esterco de galinha corresponde a duas de esterco de coelho, a três de esterco de ovelha e cabras, a quatro de porco e cinco de ovinos.

Conheça os Cursos CPT, da área Cogumelos Comestíveis, elaborados pelo Centro de Produções Técnicas. Entre os Cursos, destacam-se:

 - Curso CPT Cultivo do Cogumelo Champignon

 

 - Curso CPT Cultivo de Cogumelo Medicinal - Agaricus blazei (Murrill)

 

 - Curso CPT Cultivo de Cogumelo Shiitake

 

 - Curso CPT Cultivo de Cogumelo Shiitake em Substratos

 

 - Curso CPT Cultivo Cogumelo: Shimeji e Hiratake

 

Por Silvana Teixeira

Salvar

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

tiago clayton da silva

13 de jun de 2018

caso compre dois possui algum desconto?

Resposta do Portal Cursos CPT

19 de jun de 2018

Bom dia Tiago Clayton,

Para essas informações nossas consultoras entraram em contato.

Atenciosamente,

Mariana Caliman Falqueto

paulo sousa

30 de out de 2015

gostaria de saber como cultivar os champignom

Resposta do Portal Cursos CPT

3 de nov de 2015

Olá, Paulo!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Para mais informações sobbre o cultivo de champignon, clique aqui.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!