WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cultivo e processamento de girassol, a planta mais completa, para todos os usos

Se existe a planta ideal, da qual tudo se aproveita, o girassol está bem próximo dela

É uma das principais espécies a serem utilizadas na adubação verde, em grande parte por seu desenvolvimento inicial rápido.

O girassol é uma das quatro maiores culturas oleaginosas produtoras de óleo vegetal comestível em utilização no mundo. É cultivado, com sucesso, nos cinco continentes, em mais de 26 milhões de hectares. Mas, não é só o excelente óleo comestível que torna esta planta interessante.

Se existe a planta ideal, da qual tudo se aproveita, o girassol está bem próximo dela. As raízes, do tipo pivotante, promovem uma considerável reciclagem de nutrientes, além da matéria orgânica deixada no solo pela sua morte; as hastes podem originar material para forração acústica, com ótimas características, além de, juntamente com as folhas, poderem ser ensiladas e promoverem uma excelente adubação verde. Além disso, a beleza de suas flores despertou interesse mesmo antes de se tornar cultura oleaginosa; atualmente ele se presta muito bem tanto como flor de corte quanto para vaso.

Das flores, podem ser extraídos de 20 a 40 kg de mel por hectare de cultura, elas originam as sementes, consumidas tanto pelo homem como pelos animais. Delas é extraído um óleo de excelentes qualidades nutricionais e organolépticas, com elevado conteúdo de ácido linoléico, recomendado na prevenção de enfermidades e no tratamento da esclerose múltipla. É importante fonte de proteínas para a alimentação animal. Sua utilização como ração para o gado, na forma de silagem, já é uma realidade, especialmente no sul de Minas Gerais e em algumas regiões de São Paulo.

É uma das principais espécies a serem utilizadas na adubação verde, em grande parte por seu desenvolvimento inicial rápido, seu efeito alelopático a grande número de invasoras, pela eficiência da planta na reciclagem de nutrientes e, também, por ser um agente protetor de solos contra a erosão e a infestação de invasoras, sendo recomendado para rotação de culturas. A produção média de massa verde na safrinha fica entre 20 e 70 t/ha, o que corresponde de 2 a 7 t/ha de massa seca, a qual pode atingir 8 t/ha ou mais, dependendo do cultivar utilizado e das condições edafoclimáticas.

Apresenta bom rendimento econômico em termos de investimento/retorno, além de ser de fácil manejo e baixo investimento; como é cultivado antes ou após a cultura principal, não concorre com essa, constituindo-se em mais uma fonte de divisas para o proprietário rural.

Em resumo, a cultura do girassol é uma das mais versáteis. Para o médio e grande produtor rural, preenche necessidades de opção de rotação e sucessão de culturas com vantagens sobre outras plantas, dada a sua menor sensibilidade à seca e a baixas temperaturas, especialmente quando a produção visa ao mercado de óleo e de silagem, na "safrinha" ou no cultivo "do cedo". Para o pequeno produtor, além das vantagens na sucessão e rotação, é excelente planta produtora de mel, grãos para a alimentação de aves e consumo humano. Além disso, a existência de uma microusina de extração de óleo, acessível para cooperativas, associações de produtores e mesmo agricultores de médio porte, permite a extração do óleo a frio, que serve tanto para fins medicinais (esclerose múltipla), como para uso doméstico, na própria propriedade ou mercado local.

As perspectivas para o desenvolvimento acelerado da cultura são muito boas, uma vez que ela preenche as necessidades da entressafra da produção agrícola, da indústria de extração e do produtor de carne e leite.

O curso intitulado "Cultivo e Processamento do Girassol" produzido pelo CPT - Centro de Produções Técnicas, sob a minha coordenação técnica, tem como função a orientação do produtor em todas as etapas necessárias para que o girassol se torne uma excelente opção econômica nos mais diferentes tipos de propriedade rural.

Pesquisadora Maria Regina Gonçalves Ungaro, do IAC – Instituto Agronômico de Campinas, Seção de Oleaginosas, Especialista em Fitotecnia e Melhoramento Vegetal

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!