WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Qual a melhor época para se fazer a análise química do solo?

A época de se fazer uma análise do solo quem vai determinar é o produtor. A partir do planejamento de plantação terá que fazer uma coleta de solo e enviar ao laboratório

Qual a melhor época para se fazer a análise química do solo?   Artigos Cursos CPT

 

A época de se fazer uma análise do solo quem vai determinar é o produtor. A partir do planejamento de plantação terá que fazer uma coleta de solo e enviar ao laboratório.

“O que precisa ser bem planejado é a antecedência desta amostra à época do plantio desejado, porque se houver necessidade de calagem e/ou adubação da área, o tempo mínimo será de quatro a cinco meses, pois o calcário exige um período mínimo de três meses para reagir”, afirma Eurípedes Malavolta, professor do Curso a Distância CPT Análise de Solo e Recomendação de Calagem e Adubação.

Se houver a necessidade de uma adubação, precisa-se contabilizar o tempo de compra dos fertilizantes e preparo do solo, como a aração e gradagem, visto que existem no mercado fertilizantes solúveis que podem ser aplicados no momento do plantio.

Nota-se, então, que o planejamento é fundamental para que não haja correria na hora da plantação, pois o produtor depende, além de si mesmo, de outras partes envolvidas, tais como o laboratório de análise química de terra, o mercado de fertilizantes e a mão de obra.

Para frutíferas, de uma maneira geral, a época de amostragem é cerca de três meses antes do pleno florescimento. Em áreas cultivadas com cafeeiro, a amostragem do solo deve ser efetuada após a colheita e/ou esparramação.

Divisão da Área em Glebas Homogêneas


O solo não é uniforme em toda sua extensão, muito pelo contrário, trata-se de uma material muito heterogêneo nos dois sentidos, em superfície e em profundidade. Por este motivo, devemos dividir o terreno em glebas homogêneas.

Para esta divisão tem-se quatro pontos básicos que devem ser levados em consideração:
◊ cor do solo;
◊ textura do solo (arenosos e argilosos);
◊ topografia (parte superior, parte de meia encosta e parte mais baixa do terreno);
◊ histórico da área (cultura já implantada, aplicação de corretivos e fertilizantes etc.).

O recomendado é que as glebas sejam de, no máximo, 10 a 12 ha e uniforme quanto aos quatro aspectos citados. No caso de uma lavoura perene, ao dividir a área da propriedade em glebas homogêneas, devem ser considerados todos os fatores que podem induzir diferenças na produtividade, tais como: idade das plantas, sistemas de condução, sombreamento, sistemas de plantio e espaçamento entre as árvores, diferentes combinações de porta-enxertos e variedades, etc. Nas áreas de pastagem, não deve-se levar em consideração a divisão da área de acordo com os piquetes, mas sim considerar as características diferenciais de solo.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Manejo químico do solo antes do plantio: por que é importante fazer?
- Excesso de potássio no solo prejudica as plantas?

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT da área Agricultura.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!