WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cochonilhas em estufa de orgânicos? Calda Sulfocálcica nelas!

Anda perdendo o sono devido ao ataque das odiosas cochonilhas em sua estufa de orgânicos Conheça a calda sulfocálcica e seu excelente resultado no combate às pragas

Cochonilhas em estufa de orgânicos? Calda Sulfocálcica nelas!   Artigos CPT

Se você anda perdendo o sono devido ao ataque das odiosas cochonilhas em sua estufa de orgânicos, saiba que podemos ajudar. Então, antes que esses insetos coloquem a perder todo o seu investimento e você perca a sanidade, conheça a calda sulfocálcica e seu excelente resultado no combate às pragas. Vamos lá?

Para começar bem a nossa resenha, vamos à pergunta: o que é a Calda Sulfocálcica?


A Calda Sulfocálcica (CS) é uma mistura conhecida quimicamente como polissulfureto de cálcio, obtida fervendo-se demoradamente o enxofre em pó com cal virgem em vasilha de ferro, nunca de cobre. “Foi usada primeiramente para banhar animais contra a sarna, sendo que no final do século passado passou a ser usada como inseticida para o controle de cochonilhas, principalmente”, explica Luiz Geraldo de Carvalho Santos, professor do Curso CPT Cultivo Orgânico de Hortaliças em Estufa.

A Calda Sulfocálcica (CS) tem ação inseticida, acaricida e fungicida, devido à toxicidade, causticidade e propriedades redutoras dos polissulfuretos de cálcio. É recomendada principalmente para tratamento de inverno em plantas de folhas caducas, como pessegueiros, pereiras, macieiras, etc.

Como preparar a Calda Sulfocálcica (CS)? Quais ingredientes ela leva em sua composição? Pois, bem, vamos lá!


INGREDIENTES

QUANTIDADE

Cal virgem em pedra

5 kg

Enxofre em pó

10 kg

Água

26 L

.

Como fazer Calda Sulfocálcica:


Em uma vasilha de ferro, de tamanho que não permita derramamento durante a fervura, aquecer ligeiramente de dois a três litros de água e adicionar a cal, deixando a mistura ferver. Durante a fervura, acrescentar, aos poucos, o enxofre em pó, agitando a mistura com uma pá de madeira com o cuidado de não deixar esfriar. Agitar continuamente até formar uma mistura homogênea, sem separação do enxofre. Adicionar o restante da água e deixar ferver por mais 50 minutos.

A calda não deve ser fervida demais nem de menos. O nível inicial da mistura deve ser mantido até o final da fervura, adicionando para isso água fervendo. Após os 50 minutos de fervura, a preparação deve ser retirada do fogo e deixada esfriar. O produto deverá ter uma bonita cor âmbar (amarelo escuro) ou cor de vinho de jabuticaba, deixando ao fundo um sedimento esverdeado, formado pela cal e o enxofre que não se combinaram.

A calda pronta e fria deve ser passada por um coador feito de tecido de algodão (saco de açúcar). A impureza retida no coador não deverá ser jogada fora, pois poderá ser utilizada para pincelar troncos e galhos das árvores para controlar cochonilhas, fungos e repelir muitos insetos, entre eles as brocas.

O líquido filtrado pode ser armazenado em tambores de ferro galvanizado, de plástico ou, em pequenas quantidades, em garrafas e garrafões, desde que hermeticamente fechados, para evitar a oxidação em razão do contato com o ar. A densidade da calda deve ser medida por um densímetro ou aerômetro de Baumé (instrumento utilizado para medir a densidade de caldas e doces em escala industrial). Uma calda de boa preparação, feita com enxofre e cal virgem de boa qualidade, deverá ter concentração entre 25 e 33 graus Baumé. Essa será a preparação matriz que deverá ser diluída para uso. Uma calda a 32 Baumé (Be’) é diluída à razão de 1:8 (um litro da solução concentrada em 8 litros de água) e, assim, 1:25, 1:30, 1:35 ou 1:40, de acordo com a concentração que se deseja. Para isso, veja abaixo:


Grau Baumé da

solução concentrada

base a 32 Baumé

Equivalência às diluições da solução

1:8

1:25

1:30

1:35

1:40

0

4

13

17

20

29

21

4

14

18

21

25

22

5

15

19

22

26

23

5

16

20

23

27

24

5

17

21

24

28

25

6

18

22

25

29

26

6

19

23

26

30

27

6

20

24

28

32

28

7

21

25

29

34

29

7

22

26

30

35

30

7

23

27

32

36

31

8

24

28

33

38

32

8

25

30

35

40

33

8

26

31

36

41

RECOMENDAÇÕES

HORTALIÇAS

Ferrugem e ácaros: em alho, cebola, feijão berinjela, pimentão, tomate, roseiras e crisântemos, de uma preparação a 26 Be’, utilizar um litro da CS para 20 L de água.

POMAR

1- Fruteiras de folha caduca (Maçã, pêssego, pêra, caqui, etc.):

- Tratamento de inverno: contra fungos e cochonilhas, de uma preparação de 26 Be’, utilizar 10 litros de CS para 60 litros de água.

- Tratamento de primavera/verão: contra larvas de cochonilha, ácaros e tripes, para uma preparação de 26 Be’, utilizar 1 litro de CS para 33 litros de água. 

2- Goiabeiras:

Ferrugem da goiaba. Fazer pulverizações preventivas de CS a 0,3 Be’.

3- Cítricos:

Ácaro da leprose. Em cítricos, utilizar 1 litro de CS, a 26 Be’, em 30 litros de água.

*Em estufa não utilizar mais do que 100 mL para cada 20 litros!

.

Gostou da matéria? Quer saber mais sobre o Curso CPT? Assista ao vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da área Agricultura.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!