WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Adubação, calagem e gessagem: as 3 técnicas de manejo químico do solo

As técnicas empregadas no manejo químico do solo são a adubação, a calagem e a gessagem

Adubação, calagem e gessagem: as 3 técnicas de manejo químico do solo

 

Normalmente, as técnicas empregadas no manejo químico do solo são a adubação, a calagem e a gessagem, de modo que a ferramenta mais viável atualmente para definir quais elementos deverão ser incorporados à terra e suas respectivas quantidades é a análise química do solo, realizada por laboratórios especializados.

A análise química mostra como se encontra a situação do solo em relação a:


1. Alumínio trocável (acidez trocável) e acidez potencial (H+Al).
2. Acidez ativa ou pH.
3. Teor de matéria orgânica.
4. Nutrientes disponíveis (P, K, Ca, Mg).
5. Análise granulométrica.
6. Condutividade elétrica.
7. Micronutrientes (Cu, Fe, Mn, Zn e B).
8. Enxofre disponível.
9. Sódio trocável.

A partir dos laudos emitidos, será possível calcular a quantidade de adubo e calcário que favorecerá a produtividade da cultura que se quer plantar, explica Guilherme Barcellos Gjorup, professor do Curso CPT Interpretação de Análise de Solo para Recomendação de Calagem e Adubação.

As amostras de solo enviadas para o laboratório deverão representar corretamente toda a área a ser cultivada, daí a importância de coletá-las adequadamente. Se a amostra não refletir a realidade da área, os resultados gerarão recomendações de adubação e calagem ineficientes.

Antes de efetuar a coleta propriamente dita, deve-se dividir o terreno em glebas, isto é, em áreas homogêneas.

A divisão em glebas é necessária porque, normalmente, os terrenos são extensos e abrangem áreas de diferentes tipos de solo em diferentes condições de fertilidade tanto em superfície quanto em profundidade, principalmente no Brasil, onde o relevo é muito diversificado.

Dessa forma, cada gleba resultará em uma análise e, portanto, a cada uma será recomendado um manejo específico em concordância com suas características.

Isso permitirá ao profissional agrícola, seja ele agrônomo, engenheiro-agrícola ou técnico agrícola, prescrever as recomendações de fertilização e calagem adequadas para cada subárea, garantindo que recebam apenas o que necessitam e evitando que umas fiquem adubadas em excesso e outras com deficiência.

Gostou do assunto? Quer saber mais sobre o Curso CPT: Assista ao vídeo abaixo:


 


Conheça os Cursos CPT da área Agricultura.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!