WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Quer aumentar em 5 vezes sua produtividade de feijão?

O húmus e a matéria orgânica sobre o solo impedem a elevação da temperatura do solo, aumentam a absorção de nutrientes, desenvolvem o sistema radicular do feijão e aumentam a produtividade

Quer aumentar em 5 vezes sua produtividade do feijão?    Artigos Cursos CPT

 

O húmus e a matéria orgânica (biomassa) são maus condutores de calor e isso vem contribuir para impedir a elevação demasiada da temperatura do solo, produzida pela radiação solar. Estudo realizado por Miyasaka et al. (2003) veio demonstrar que, em solo normal, a 5 cm de profundidade, a oscilação da temperatura diária pode chegar a 30°C, em determinado período, enquanto em parcelas dispostas ao lado e que receberam incorporação de matéria orgânica, a oscilação de temperatura não passou, em média, de 10°C.

“Essa diminuição da variação da temperatura do solo favoreceu, significativamente, no estudo realizado, a absorção de determinado nutriente pela planta de feijão e o desenvolvimento do seu sistema radicular (feijão tem raízes pouco profundas) e como consequência aumento da produtividade em cerca de 4,5 vezes”, afirma Kunio Nagai, professor do Curso a Distância CPT Agricultura Natural, em Livro+DVD e Curso Online.

Influência da matéria orgânica (biomassa) e do húmus nas propriedades químicas do solo


1- Fornecimento de nutrientes
Os organismos que vivem no solo (principalmente microrganismos) realizam a decomposição da matéria orgânica, tornando disponíveis os elementos químicos (nutrientes) presentes nos tecidos do referido material. Os principais nutrientes fornecidos são nitrogênio,
fósforo, enxofre e micronutrientes. A matéria orgânica contém, em média, 95% do nitrogênio
encontrado no solo, de 15% a 80% do fósforo e de 50% a 70% do enxofre.

2- Controle do pH do solo
O húmus contribui para que o solo fique com um índice de pH mais favorável às plantas, reduzindo tanto a acidez quanto a alcalinidade.

3- Capacidade de troca de cátions (CTC)
O húmus acha-se em estado amorfo e exibe uma superfície muito maior que a argila, apresentando, consequentemente, uma capacidade de troca muito superior que a das argilas. Sendo assim, é capaz de absorver os cátions existentes na solução do solo, e depois cedê-los às raízes ou efetuar trocas, quando ocorre variação de pH, ou na concentração de íons. A CTC dos minerais de argila está, geralmente, compreendida entre 8 a 100 miliequivalentes por 100 gramas de material seco, enquanto a do húmus é estimada em 150 a 300 meq/100 g.

- Poder tampão
O poder tampão dos solos é função da capacidade de troca catiônica. Como o húmus apresenta elevada CTC, o teor de húmus no solo tem correlação com o seu efeito tampão. Isto significa, na prática, que os solos mais ricos em matéria orgânica decomposta ou húmus são mais resistentes à mudança de pH, o que implica na necessidade de maior quantidade de calcário nos solos orgânicos que nos solos minerais, para mudar seu grau de acidez.

- Adsorção iônica
A adsorsão iônica é um fenômeno físico-químico onde ocorre a retenção eletrostática de um cátion em uma massa. O húmus e a argila são dois coloides eletronegativos e, portanto, têm a capacidade de reter cátions. O húmus tem maior poder de absorção de cátions que a caulinita (argila mais comum nos solos brasileiros). Por isso, maior teor de húmus no solo implica maior quantidade de nutrientes essenciais (cátions) adsorvidos e que podem ser liberados para as plantas.

- Superfície específica
A matéria orgânica humificada eleva a superfície específica do solo. O húmus tem uma superfície específica, ou seja, uma área de exposição superficial, 70 vezes maior que a da caulinita. A maior superfície específica aumenta o poder de retenção e fornecimento de nutrientes e de água dos solos.

- Composto orgânico como quelado
Certos compostos orgânicos têm a propriedade de se ligar com íons metálicos como ferro, manganês, alumínio, zinco e cobre, tornando-os complexos. Esse fenômeno é chamado de quelação e os metais que a eles se ligam de metais quelados. Os metais quelados permanecem solúveis e, em determinadas condições, podem ficar disponíveis às plantas, à medida que deles necessitem. O ferro, o manganês e o alumínio são considerados elementos tóxicos, quando aparecem em excesso. Devido ao seu poder de quelação, a matéria orgânica humificada corrige a toxidez desses solos.

Quer saber mais sobre o assunto? Dê Play no vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos a Distância CPT, em Livros+DVDs e Cursos Online, da área Agricultura Orgânica.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

TOME ALVES DE JESUS

6 de mai. de 2021

Gostaria de saber do valor dos cursos para cultura do milho e do feijão

Resposta do Portal Cursos CPT

28 de mai. de 2021

Olá, Tomé

Como vai?

Agradecemos sua visita ao nosso site!

Em breve, uma das nossas consultoras entrará em contato com informações e esclarecimentos sobre os cursos que serão fundamentais para o seu aprendizado.

Atenciosamente,
Erika


 

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!