WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Cana-de-açúcar - Outras Doenças

Cana-de-açúcar - Outras Doenças

 

Mancha amarela – Fungo Mycovellosiella koepkei

Esta doença já foi relatada em 37 países. Sua importância é maior nas regiões úmidas em que a cana floresce. No Brasil, a mancha amarela predomina na zona litorânea chuvosa do Nordeste e na região da Bacia Amazônica.

Embora a infecção ocorra nas folhas novas, os sintomas são visíveis somente nas folhas mais velhas e são evidenciados por manchas vermelho-amareladas, irregulares e de tamanho variado. As manchas localizam-se em uma das faces das folhas e na face oposta desenvolvem-se manchas cloróticas (brancas ou amareladas), visíveis contra a luz. Em ambientes favoráveis, as manchas podem cobrir quase toda a folha, que fica com aspecto aveludado e cinza.

Nas regiões tropicais úmidas, quentes e nubladas, onde a cana-de-açúcar floresce no período de chuvas, só o cultivo de variedades resistentes tem controlado a doença. Altas doses de nitrogênio favorecem o desenvolvimento da doença.

Mancha ocular – Fungo Bipolaris sacchari

A mancha ocular ocorre em pequena escala na maioria dos invernos chuvosos. No Brasil, a doença é mais frequente no Estado de Santa Catarina, vale do Rio Itajaí, na região norte do Paraná e, apenas ocasionalmente, no Estado de São Paulo.

O sintoma mais típico da doença manifesta-se nas folhas, na forma de numerosas manchas redondas, o que evidencia morte do tecido vegetal. Essas manchas são, inicialmente, pardas e, mais tarde, tornam-se marrom-avermelhadas. O tamanho das lesões varia de 0,5 a três centímetros. Em variedades muito suscetíveis podem aparecer estrias de até 60 centímetros.

Quando as condições são favoráveis, a mancha ocular atinge as folhas novas do ponteiro, causando a morte dos tecidos jovens, do colmo imaturo e até da touceira jovem. O fungo também pode causar queda de germinação.

O método mais prático para controlar a doença é o uso de variedades resistentes. Deve-se evitar o excesso de nitrogênio na adubação e o plantio de variedades suscetíveis nas margens de lagos, rios e baixadas, onde o ar frio e a neblina acumulam-se durante o inverno.

Confira todo o conteúdo sobre Cana-de-Açúcar, acessando o link abaixo:
 
Cana-de-açúcar

Fontes: Embrapa, Wikipédia e UFPB, Ebah

Postado por Silvana Teixeira

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Quer mudar de vida e ter sucesso profissional? Vamos te ajudar!