WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Ligue Agora (31) 3899-7000
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Resultados da busca para "processo-de-fabricacao-do-presunto" ()

Como fazer presunto de frango - ingredientes, salmoura e cozimento

Muito procurado nos supermercados, açougues e casas especializadas, o presunto de frango, por sua praticidade de preparo e baixo valor calórico quando comparado ao de boi e porco, vem ganhando posição de destaque nas mesas e cardápios em todo o mundo. Por possuir preço baixo e ser muito saboroso, o presunto de frango veio para ficar. Aliás, o que não faltam são as mais saborosas receitas que levam este ingrediente como cargo chefe, evidenciando não faltar mercado consumidor desde que produzido dentro dos padrões de qualidade exigidos por lei. Portanto, se você pretende investir neste ramo de negócio, veja como é fácil fazer o presunto de frango, que acontece, basicamente, em três processos: ingredientes necessários, salmoura para o mergulho da carne e cozimento do presunto de frango.

Processamento de pescado - etapas e tipos ideais de peixe para o beneficiamento

Os peixes escolhidos para o processamento de pescados devem ser, de preferência, aqueles de carne mais branca, magra, firme, sem gosto "forte", e sem mioespinhos, principalmente para a produção de filés. Alguns exemplos de peixes que podem ser utilizados no processamento de pescados são a merluza, a tainha, o cação, o namorado, a tilápia. Para defumar ou filetar, podem-se usar peixes mais "nobres" como o salmão e o surubim (pintado).

Quer fazer seu próprio presunto para consumo e também vender? É muito fácil!

Quer fazer seu próprio presunto? Acredite: é muito fácil! Basta apenas alguns cuidados no momento de manipulação da carne e atenção ao processo de fabricação, afirma Newton de Alencar, professor do Curso a Distância CPT Industrialização de Carne Suína, em Livro+DVD e Curso Online.

O processamento dos pescados garante ao consumidor alimentos saudáveis

O processamento de pescados é uma atividade bastante complexa e, como toda indústria de alimentos, deve ser rigorosa quanto aos aspectos de higiene e sanidade. Portanto, para o sucesso na comercialização, os produtos devem ter excelente qualidade e essa qualidade vai depender da matéria-prima empregada, da tecnologia de processamento, da higiene no preparo, das embalagens utilizadas e do armazenamento adequado. O beneficiamento possibilita, então, a comercialização do pescado de forma higiênica, aumentando a vida útil e incrementando sua qualidade. Assim, agrega-se valor ao produto ?in natura?, obtém-se um produto diferenciado e competitivo e permite oferecer novas opções ao consumidor, por exemplo peixe filetado (filés de peixe), fishburguer, nuggets, linguiças, empanados, tirinhas de peixe, patês, entre outros.

Frutos e hortaliças minimamente processados reduzem as perdas dos alimentos

Os produtos minimamente processados de frutos e hortaliças correspondem a uma ampla variedade de órgãos vegetais que foram submetidos a algum tipo de modificação em sua condição natural, mas que apresentam qualidade semelhante à do produto fresco. São, também, conhecidos como produtos levemente processados, parcialmente processados, processados frescos, cortados frescos ou pré-preparados.

Processamento de tomate permite aproveitar excedentes e produtos de final de safra

O tomate, hortaliça nutritiva e saborosa, foi trazido para o Brasil nos anos que se seguiram ao descobrimento. Neste terceiro milênio, ele constitui uma das olerícolas mais importantes do país e também do mundo, pois todos os povos o consomem, tanto ao natural quanto processado, nas formas de saladas, molhos, sopas, cremes, doces, sucos, patês e purês, entre outros.

Processamento mínimo do tomate: evite desperdício e aumente sua renda mensal

O processamento mínimo de frutos e hortaliças foi introduzido, no Brasil, na década de 90 por algumas empresas atraídas pela nova tendência do mercado que, atualmente, se encontra em franca expansão. É um símbolo da economia de tempo, de conveniência e de redução do lixo.

Processamento da mandioca para uso culinário

A mandioca de uso culinário recebe diferentes denominações nas diversas regiões do Brasil. É aipim, macaxeira ou mandioca de mesa. Independente do nome, a mandioca sempre foi um prato tradicional, mas seu processamento vem sendo inovado, podendo ser encontradas várias opções nos mercados das capitais para aumentar o consumo culinário da mandioca: minimamente processadas, congeladas ou refrigeradas, pré-cozidas e congeladas e, mais recentemente, french fries e chips.

Frutos e hortaliças - os mais utilizados para o processamento mínimo

Para maior eficiência e rendimento de frutos e hortaliças a serem processados, devem ser realizados programas de treinamento dos funcionários tanto na supervisão, como na linha de processamento. Da mesma forma, a redução das perdas da matéria-prima é fundamental. O manuseio apropriado do material descartado (aparas, refugos, cascas, entre outros) é importante para evitar a contaminação ambiental. Além disso, esse material pode ser aproveitado por meio da secagem e extrusão em pellets, para uso na alimentação animal, o que seria um subproduto rentável para o empreendedor.

Pimentas - o processamento adequado gera bom rendimento

Os diferentes tipos de pimentas têm várias formas de preparo e modos de consumo, sendo uma das hortaliças mais versáteis para a indústria de alimentos. As pimentas doces e picantes podem ser processadas na forma de pó, flocos, picles, escabeches, molhos líquidos, conservas de frutos inteiros, geleias, entre outros tipos de processamento. As pimentas picantes ainda são utilizadas pela indústria farmacêutica, na composição de pomadas para artrose e artrite, no famoso emplastro Sabiá, e também pela indústria de cosméticos, na composição de xampus antiquedas e anticaspas. A capsaicina, substância responsável pela pungência dos frutos, pode ainda ser utilizada como arma na forma de spray de pimenta.

Fique por dentro das novidades!