Resultados da busca para "desvantagens-da-inseminacao-artificial-em-suinos"

Criação de rãs - como fazer a fertilização artificial em ranários

Quando o ranicultor necessitar do cruzamento ou acasalamento de um determinado casal, e ele não puder depender do acasalamento natural, mesmo que os induzindo com hormônio, será, então, necessário promover a fertilização artificial dos gametas. O processo deverá ser feito da seguinte maneira:

Inseminação artificial em gado de leite - momento ideal para inseminação

O índice de prenhez por meio da inseminação artificial será alto se um esquema de observações e horários do cio for seguido à risca pelo inseminador. Do contrário, se não houver, muitos cios serão perdidos, assim como muitas doses de sêmen. Frente as dificuldades de se proceder a inseminação artificial, no horário ideal (final do cio), é recomendável, identificada a vaca em cio, seguir uma regra fixa, para determinar a hora certa de inseminar.

Como garantir o sucesso na inseminação artificial de equinos?

Para que a inseminação artificial na espécie equina, assim como em outras espécies, tenha o seu sucesso garantido, é importante que sejam observadas algumas etapas: material genético disponível, ausência de características indesejáveis, principalmente as de cunho genético, manejo nutricional e sanitário, bem como uma boa equipe técnica, com amplo domínio dos aspectos ligados a fertilidade e tecnologia do sêmen, sem os quais torna-se difícil usufruir os benefícios desta biotécnica da reprodução.

Inseminação artificial em bovinos: fatores que levam a ótimos resultados

Na inseminação artificial, a monta é substituída pela colocação do sêmen no aparelho reprodutivo da vaca, por meio de materiais apropriados. Um desses materiais é o aplicador, que é introduzido na vulva da fêmea, atravessando a vagina e a cérvix, permitindo a deposição do sêmen na entrada do útero. Esse sêmen é diluído para aumentar as chances de fecundação. No entanto, é preciso também que haja um óvulo fértil na vaca.

Inseminação artificial em gado de leite - biotecnologia aplicada na reprodução animal

De forma geral, a inseminação artificial em gado de leite tenta agir sobre estes dois aspectos: aproveitar ao máximo os cios da matriz, e fazer com que as crias tenham maior potencial produtivo, por conta do uso de sêmen de reprodutores melhoradores, a um custo relativamente baixo.

Inseminação artificial em gado de leite - sequência da inseminação artificial

Detectado o cio, a vaca ou novilha deve ser levada para o curral e identificada para ser inseminada no momento adequado. A partir de então, iniciam-se os passos da inseminação propriamente dita. Na checagem dos registros, a vaca e os materiais utilizados para inseminar são preparados. O primeiro passo é verificar na ficha da vaca se existe alguma informação que possa impedir a sua inseminação. Não se deve inseminar vacas com menos de 35 dias de parida ou que tenham apresentado cio há menos de 18 ou mais que 24 dias. Em seguida deve-se conferir se todos os materiais a serem usados na inseminação encontram-se disponíveis e limpos. Verifica-se, também, onde o sêmen escolhido encontra-se no botijão.

Inseminação artificial em gado de leite - diagnóstico de gestação

Num período compreendido 45 e 60 dias depois do término da estação de monta, para que o pecuarista possa descartar as fêmeas vazias e reagrupar as fêmeas prenhes, deverá ser realizado o diagnóstico de gestação, que nada mais e que a confirmação ou não da gestação, em todas as novilhas e vacas que participaram da inseminação. Por meio do diagnóstico de gestação é possível a identificação precoce das fêmeas que não ficaram prenhes, facilitando a tomada de decisão sobre descartes.

Quer melhorar geneticamente seus equinos? Inseminação artificial neles!

Atualmente, a Inseminação Artificial em equinos é prática utilizada em todo o mundo, destacando-se as técnicas que fazem uso do sêmen resfriado, que permite conservação do material por até 48 horas, viabilizando seu transporte para qualquer local. O Brasil está entre os países nos quais os criadores mais utilizam IA com sêmen resfriado, sendo que os Estados Unidos é o local onde a técnica está mais disseminada.

Inseminação Artificial em éguas: sêmen fresco, resfriado ou congelado?

A Inseminação Artificial em equinos é largamente praticada em todo o mundo, e a maneira mais comumente usada nessa espécie é mediante o resfriamento e transporte de sêmen (LOOMIS, 2006). Aparentemente, no mundo, os países que mais realizam IA com sêmen resfriado transportado são Estados Unidos, seguido pelo Brasil (PAPA et al., 2008).

Inseminação artificial em gado de leite - processamento do sêmen na central de inseminação

Muitos pecuaristas traçam estratégias de seleção e melhoramento de seu rebanho, de maneira a obter, ao longo do tempo, reprodutores cada vez melhores. São criadores cuja principal atividade não é a produção leiteira ou de carne, mas, sim, selecionar e multiplicar bons reprodutores e comercializa-los.

Atendimento Online
Quer Facilidade