Resultados da busca para "como-inseminar-codornas"

Espécies de codornas: europeia, americana, japonesa, chinesa e africana

As aves conhecidas como codornas pertencem à família das Faisanidas, sendo consideradas galináceas. No Brasil, as espécies de codorna mais conhecidas são as Coturnix coturnix coturnix (codornas europeias ou selvagens) e as Coturnix Coturnix japonica (codornas japonesas ou domésticas). Entretanto, há também as codornas americanas (C. Virginianus), sendo a mais conhecida a Bobwhite, além das chinesas (Coturnix adansonii) e das africanas. Cada uma delas com características bem peculiares: uma dóceis, outras nervosas; outras grandes produtoras de ovos, outras baixas produtoras de ovos, mas com excelente produção de carne.

Codornas: manejo de produção

A codorna pertence à ordem dos Galliformes, família Phasianídeas, gênero Coturnix. No mercado, podemos encontrar três tipos de codorna: a Coturnix coturnix coturnix (codorna europeia); a Coturnix japonica (codorna japonesa) e a Colinus virginianus (codorna americana). De todas, a mais difundida mundialmente é a codorna japonesa, pois seu desenvolvimento é precoce, possuindo alta produtividade quanto à postura.

Inseminação artificial em gado de leite - sequência da inseminação artificial

Detectado o cio, a vaca ou novilha deve ser levada para o curral e identificada para ser inseminada no momento adequado. A partir de então, iniciam-se os passos da inseminação propriamente dita. Na checagem dos registros, a vaca e os materiais utilizados para inseminar são preparados. O primeiro passo é verificar na ficha da vaca se existe alguma informação que possa impedir a sua inseminação. Não se deve inseminar vacas com menos de 35 dias de parida ou que tenham apresentado cio há menos de 18 ou mais que 24 dias. Em seguida deve-se conferir se todos os materiais a serem usados na inseminação encontram-se disponíveis e limpos. Verifica-se, também, onde o sêmen escolhido encontra-se no botijão.

Dicas para prevenir doenças em codornas

No mercado, podemos encontrar três tipos de codorna: a Coturnix coturnix coturnix (codorna europeia), a Coturnix japonica (codorna japonesa) e a Colinus virginianus (codorna americana). De todas, a mais difundida mundialmente é a codorna japonesa, pois seu desenvolvimento é precoce, com alta produtividade quanto à postura.

Inseminação artificial em gado de leite - momento ideal para inseminação

O índice de prenhez por meio da inseminação artificial será alto se um esquema de observações e horários do cio for seguido à risca pelo inseminador. Do contrário, se não houver, muitos cios serão perdidos, assim como muitas doses de sêmen. Frente as dificuldades de se proceder a inseminação artificial, no horário ideal (final do cio), é recomendável, identificada a vaca em cio, seguir uma regra fixa, para determinar a hora certa de inseminar.

Criação de codornas

A produção avícola brasileira ocupa atualmente o segundo lugar no ranking mundial. A criação de codornas se destaca entre as demais criações de aves pelo seu excelente desempenho como poedeira. O comércio de ovos de codorna se intensifica a cada ano em virtude do seu elevado valor proteico e da sua digestibilidade. Já a produção de codornas para corte visa o abastecimento de um mercado crescente à procura de carnes nutritivas cujo sabor seja exótico e peculiar. Vale citar que, apesar da procura pela carne de codorna ter crescido, mais de 90% das criações no Brasil são destinadas exclusivamente ao comércio dos ovos.

Inseminação artificial em bovinos - manejo, sanidade, nutrição e treinamento do inseminador

São muitos os fatores que determinam o sucesso de um programa de inseminação artificial em bovinos, além da aplicação da técnica em si. Os bovinos precisam estar saudáveis, bem manejados e devidamente controlados. Além disso, é fundamental o preparo ou a adaptação de instalações necessárias e o treinamento dos inseminadores. Para obter sucesso na inseminação de bovinos, deve ser dada a devida atenção a todos estes aspectos.

Codornas - iniciando a criação

As codornas domésticas, aves procuradas tanto pelo sabor saboroso de sua carne quanto pelo alto valor nutritivo de seus ovos, tiveram sua origem a partir de diversos cruzamentos entre as codornas selvagens, realizados por japoneses e chineses.

Inseminação artificial em gado de leite - diagnóstico de gestação

Num período compreendido 45 e 60 dias depois do término da estação de monta, para que o pecuarista possa descartar as fêmeas vazias e reagrupar as fêmeas prenhes, deverá ser realizado o diagnóstico de gestação, que nada mais e que a confirmação ou não da gestação, em todas as novilhas e vacas que participaram da inseminação. Por meio do diagnóstico de gestação é possível a identificação precoce das fêmeas que não ficaram prenhes, facilitando a tomada de decisão sobre descartes.

Inseminação artificial em bovinos - materiais utilizados para o procedimento adequado

O inseminador utilizará em seu trabalho uma série de materiais, que deverá ter sempre à mão, em bom estado de conservação e devidamente higienizados. São materiais simples e de baixo custo, mas indispensáveis ao trabalho de inseminação artificial. São eles: bainhas descartáveis de inseminação: tubos plásticos usados para proteger o aplicador e evitar contaminação do útero; ebulidor e caixa de isopor: utilizados para o aquecimento e a manutenção da temperatura da água para o descongelamento de sêmen; aplicador universal de sêmen: conjunto de metal usado para transpor a cérvix da vaca; entre outros.

Atendimento Online
Quer Facilidade