Resultados da busca para "bovinos"

Inseminação artificial em bovinos - manejo, sanidade, nutrição e treinamento do inseminador

São muitos os fatores que determinam o sucesso de um programa de inseminação artificial em bovinos, além da aplicação da técnica em si. Os bovinos precisam estar saudáveis, bem manejados e devidamente controlados. Além disso, é fundamental o preparo ou a adaptação de instalações necessárias e o treinamento dos inseminadores. Para obter sucesso na inseminação de bovinos, deve ser dada a devida atenção a todos estes aspectos.

Transferência de embriões em bovinos

A transferência de embriões em bovinos visa à multiplicação do número de bovinos nascidos de uma vaca, geneticamente superior, fecundada por um boi também superior, em um menor período de tempo. Em outras palavras, uma vaca de elevado mérito genético que, normalmente, deixaria uma cria por ano por meio de inseminação ou monta, com a TE pode produzir até 20 descendentes por ano. Isso aumenta consideravelmente a produção gerando lucro ao pecuarista.

Timpanismo em bovinos de corte

O criador de gado de corte deve estar atento a enfermidades que podem surgir nos bovinos, como o timpanismo. Esse fenômeno ocorre quando parte da flora bacteriana morre por excesso de algum determinado alimento, que, por consequência, promove a formação de gases provindos da fermentação deste. Além disso, a falta de fibra e de aditivos na dieta do bovino, que estabilizam a ruminação, podem ocasionar ou agravar ainda mais os quadros de timpanismo.

3 alimentos são fundamentais para a engorda de bois em pasto. Descubra!

Oferecer forragem de qualidade, tenra e nutritiva é o primeiro passo para um bom manejo. Esse será o objetivo básico do manejo das pastagens. “É necessário considerar, entretanto, que mesmo forrageiras de altíssima qualidade proporcionam ganho de peso moderado, em razão de ser um fator limitante a capacidade do animal de ingerir e digerir forragens

A técnica da fertilização in vitro (FIV) e o cultivo de embriões bovinos

A fertilização in vitro, ou FIV, é uma biotécnica utilizada como alternativa para acelerar a produção de bovinos geneticamente superiores. Junto à inseminação artificial e à transferência de embriões, a fecundação in vitro é uma técnica responsável pela rápida progressão genética, principalmente em animais de produção. A FIV permite que uma reprodutora produza centenas de bezerros em um mesmo ano. Esta técnica permite evitar o descarte precoce de fêmeas geneticamente privilegiadas, portadoras de alterações adquiridas que impeçam que a reprodução ocorra de forma natural.

Castração dos bovinos - por que deve ser feita e quais as principais técnicas

Nos primórdios, a castração dos bovinos tinha o objetivo único de acalmar os machos. Com o passar dos tempos, este procedimento passou a ser usado pelos pecuaristas visando ao aprimoramento da qualidade da carne de boi, além da sanidade dos bovídeos. Entretanto, embora algumas técnicas tradicionais não afetem o bem-estar do bovino, outras podem trazer algumas complicações, como o estresse do animal, a perda de peso, ou até a morte resultante de infecções.

Avaliação e tipificação de carcaças em bovinos

A avaliação de carcaças bovinas é definida por dois conceitos básicos, a classificação e a tipificação. O sistema de classificação consiste em agrupar em classes aquilo que tem características semelhantes, por exemplo, as categorias de sexo, idade e peso dos bovinos, conformação das carcaças, quantidade de gordura, enfim, a formação de categorias homogêneas, relacionando-se com a produtividade do rebanho. Já o objetivo do sistema de tipificação é a diferenciação de classes em tipos hierarquizados segundo critérios que incluem as categorias da classificação já mencionadas, e outras como gordura de cobertura em pontos específicos, coloração da carne e da gordura, pH, dentre outros, relacionando-se aos aspectos qualitativos da carcaça e da carne.

Coleta não cirúrgica de embriões bovinos

Antes da coleta não cirúrgica de embriões, procede-se à contenção da vaca por meio de um tronco, para evitar riscos de ferimento no bovino e no operador. Em seguida, aplica-se anestesia epidural, visando ao relaxamento do bovídeo, além do bloqueio dos movimentos retais e possíveis dores durante a passagem da sonda. É imprescindível a higiene do local, já que é um artifício para que não haja contaminação durante o processo.

Cortes de carne bovina: classificações e características

A carne bovina é a mais consumida no mundo, e no Brasil não é diferente. Ela está presente, na mesa e no gosto dos consumidores brasileiros, e aquece a economia e, principalmente, o agronegócio do país. Contudo, são poucos aqueles que, de fato, sabem identificar e diferenciar os diversos tipos de cortes de carne bovina.

Abatedouros regulamentados, saúde pública em primeiro lugar

O consumo de carne no Brasil vem mostrando crescimento nos últimos anos. A preferência nacional é pela carne bovina (49,3%), seguida pelo frango (35,4%) e pela carne suína (15,3%), diferindo do perfil mundial, em que a carne suína é mais consumida. O Brasil consome cerca de 38kg/pessoa/ano de carne bovina, devendo atingir os 45 kg/ano até meados de 2010, segundo o Conselho Nacional de Pecuária de Corte.

Atendimento Online
Quer Facilidade