WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Fale com uma Especialista
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Um pouco mais sobre a reprodução de peixes ornamentais em cativeiro

O conhecimento das técnicas de propagação é condição indispensável para seu cultivo. São exemplos de peixes ovulíparos o kinguio, os barbos, as carpas, os labeos, o betta etc

Um pouco mais sobre a reprodução de peixes ornamentais em cativeiro   Artigos CPT

A reprodução em cativeiro é uma condição bastante importante para o desenvolvimento de sistemas produtivos de determinadas espécies. Das mais de 100 espécies cultivadas para corte, apenas as enguias não têm sua reprodução em cativeiro dominada, significando um dos entraves à expansão desta cultura.

“No caso das espécies ornamentais, o conhecimento das técnicas de propagação é condição indispensável para seu cultivo. São exemplos de peixes ovulíparos o kinguio, os barbos, as carpas, os labeos, o betta etc.”, explica Manuel Vazquez Vidal Junior, professor do Curso CPT Produção de Peixes Ornamentais.

No caso dos peixes ovíparos, a fecundação é interna. O macho possui um órgão copulador que introduz os espermatozóides no corpo da fêmea. A fêmea então fecunda os óvulos que posteriormente são expelidos para terem seu desenvolvimento no meio externo, na água. Este processo é muito semelhante ao que ocorre nas aves. Poucas espécies possuem este mecanismo. Uma delas é um pequeno peixe da família poecilidae (a mesma do guppy) denominado Tomeurus gracilis.

A ovoviviparidade ocorre quando a fecundação e o desenvolvimento do embrião se processam no interior do corpo da fêmea, mas nesse caso o embrião não se nutre e nem passa metabólitos à fêmea. Ao final da “gestação”, o ovo é liberado ainda com o embrião dentro da casca, que se rompe a seguir. Exemplos de ovíparos são os Sebastes marinus, e poecilídeos como o guppy.

No caso de o embrião possuir dependência da fêmea para nutrição e liberação de metabólitos, chamamos o mecanismo de viviparidade, como ocorre em humanos. O grau de dependência varia muito entre as espécies de peixes. Alguns autores consideram os poecilídeos (guppy, molinésia, espada etc.) como vivíparos; outros autores os consideram como sendo ovovivíparos. Mas também há consenso: peixes como o Zoarces viviparus, e algumas espécies de tubarões são vivíparos típicos.

Os peocilídeos apresentam uma peculiaridade chamada superfetação, que é a fecundação dos óvulos por espermatozóides armazenados na parede do ovário da fêmea. A fêmea pode armazenar os espermatozóides por até 10 meses, fecundando até nove desovas consecutivas. Muitas vezes, ouvimos que a fêmea do guppy possui uma espermateca ou bolsa para armazenar espermatozóides, mas tal estrutura não ocorre nesta espécie.

Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a(s) matéria(s) a seguir:


- Quero criar peixes ornamentais em caixas d'água. É possível?
- Nutrição de peixes ornamentais: como proceder

Quer saber mais sobre o Curso? Dê Play no vídeo abaixo:


Conheça os Cursos CPT da área Piscicultura.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!