Internacionalização da Amazônia, assunto para ser levado a sério

 

Prof. Nelson Fernandes Maciel, Diretor-Presidente do Grupo CPT.

 

Prof. Nelson Fernandes Maciel
Diretor-Presidente do CPT

 

A Amazônia brasileira possui muitos tesouros: um verdadeiro mar interior de água doce, jazidas de minérios, muitos deles estratégicos; biodiversidade com o maior banco genético do mundo; posição estratégica na linha do Equador e um povo mestiço indígena de inúmeras etnias. Por isso, ela é alvo de cobiça internacional há anos.

No início dos anos 90, o Senador Bob Kasten, do Estado de Wisconsin, EUA, disse: "ao contrário do que pensam os brasileiros, a Amazônia não é deles, ela pertence a todos nós". Nesta mesma época, ainda nos EUA, foram produzidos mapas da América do Sul mostrando a Amazônia como região internacional.

Nos últimos meses, a internacionalização da Amazônia voltou a ser destaque na imprensa nacional e internacional. "The New York", o mais importante jornal norte-americano, em 18 de maio, publicou o artigo: "De quem é a Amazônia?".

Claramente, foi colocado o aumento de lideres internacionais que declaram abertamente que a Amazônia não pertence apenas ao Brasil. O candidato à presidência dos EUA, Barack Obama, prega e com documento escrito, a classificação da Amazônia como "recurso global".

Com o aumento do aquecimento global, aumento da poluição, da necessidade de energia, da escassez de água potável e desmatamento da Amazônia, questionamentos da nossa soberania sobre aquela região deverão aumentar.

O ex-presidente da República, Itamar Franco, afirmou que, nos dias 29 e 30 de abril deste ano, a corte inglesa, representada pelo Príncipe Charles, reuniu, em Londres, parlamentares ingleses, representantes de bancos europeus, representantes de ONGs internacionais e vários índios brasileiros da Reserva Raposa da Serra do Sol para tratar da floresta brasileira. É interessante observar que representantes do governo brasileiro não foram convidados.

No final da reunião, as idéias convergiram para uma espécie de financeirização da Amazônia com alocação de verbas para projetos na região que interessem ao debate de sua internacionalização. a Príncipe Charles será o interlocutor global da floresta, com movimentos que, no fundo, podem significar o início do processo de internacionalização.

Em função disso, o ex-presidente Itamar Franco protestou, junto ao Presidente Lula dos riscos na participação do Brasil no Instituto Internacional de Preservação da Amazônia, sugerido pelo Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Isto seria a revitalização do plano chamado de "Hiléia Amazônica", adotado por potências estrangeiras que, de forma malandra, queriam transformar a rica e portentosa área em patrimônio da humanidade. E o pior que, naquela época, em 1948, a idéia foi sugerida pelo embaixador do Brasil na UNESCO. Só não foi para frente porque o ex-presidente da República Arthur Bernardes fez protestos eloqüentes na Câmara Federal.

Mas, existe realmente risco de internacionalização? Esta é a pergunta que paira sobre os brasileiros. Ou isto é coisa de mineiro desconfiado?

As luzes de alerta já se acenderam e parece que o processo está em andamento, quando existe uma pressão internacional para a demarcação de extensas terras contínuas da Reserva Raposa da Serra do Sol, junto às fronteiras, no Estado de Roraima. Orientados e financiados por ONGs internacionais, líderes indígenas já falam: "Nós fazemos a vigilância de nossas fronteiras, não precisamos de pelotão do Exército"; "Se insistirem na construção da hidroelétrica, vai ser guerra internacional". E, ainda mais,fecham estradas com correntes, forçam a saída de não índios da área, viajam pelo mundo a fora em busca de apoio para a demarcação contínua.

Voltemo-nos à História para análise da situação:

- Há 160 anos, o México perdeu a Califórnia, uma rica região em ouro, para o EUA. Com o apoio dos norte-americanos, os próprios mexicanos, depois de luta sangrenta, proclamaram a independência da República da Califórnia, posteriormente anexada aos EUA.

- A Província do Panamá pertencia à Colômbia, que não aceitava as pressões internacionais, comandadas pelos EUA, para construção do canal que ligaria os oceanos Atlântico e Pacifico. A questão foi colocada como de interesse internacional e que não podia ser decidida apenas pela Colômbia. Algum tempo depois, treinados, estimulados e financiados pelos EUA, grupos da própria província se rebelaram contra a Colômbia e criaram a República do Panamá. Assim, os EUA conseguiram o canal e muitas outras concessões.

Dá para perceber as coincidências?

É hora de agir e rápido:

- Colocar a ABIN para identificar e conhecer as reais intenções das ONGs internacionais que patrocinam as viagens dos nossos índios, que treinam índios escolhidos para liderança, movimentos sociais, inflamação popular e espírito separatista. ONGs que praticam a biopirataria, espionagem, campanhas de internacionalização, prospecção do solo e contrabando de minerais.

- Ocupar os espaços das ONGs, com presença maciça na educação, formação profissional e implantação de Centros de Estudos.

- Reduzir o desmatamento e criar alternativas de renda para a população da região.

- Instalar unidades militares permanentes em terras indígenas, localizadas nas áreas de fronteiras. Enfim, estabelecer a presença do Estado na região, combatendo os grileiros, incendiários, madeireiros ilegais, latifundiários e pistoleiros. O combate a eles é também defesa nacional. Com a palavra os Ministros do STF - Supremo Tribunal Federal que decidirão sobre a demarcação da Reserva Raposa Serra do Sol, e a responsabilidade fica com os governantes brasileiros.

Internacionalização da Amazônia, assunto para ser levado a sério.

Cursos Relacionados

Curso Reposição Florestal Curso Reposição Florestal

Com Prof. Pesquisadores da EMATER

R$ 315,00 à vista ou em até 10x de R$ 31,50 sem juros no cartão + frete

Saiba mais
Curso Recuperação e Conservação de Nascentes Curso Recuperação e Conservação de Nascentes

Com Prof. Dr. Paulo Sant’Anna

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais
Curso Produção de Óleos Essenciais Curso Produção de Óleos Essenciais

Com Prof. Dr. Antônio Lelis Pinheiro

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais
Curso Restauração Florestal em Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Curso Restauração Florestal em Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal

Com Prof. Dr. Sebastião Venâncio

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais

Mais Palavra do Presidente do Grupo CPT

Últimos

Mais Lidos

Atendimento Online
Quer Facilidade