Atendimento Online

    Novembro Azul, drible o preconceito e abrace esta causa!
    / / Vaca no cio pode ser identificada de três maneiras
    Notícias sobre diversas áreas do conhecimento

    Vaca no cio pode ser identificada de três maneiras

    A inseminação em bovinos pode ser feita em qualquer região ou rebanho

    Gostou? Envie a um amigo
    Tamanho da letra Diminuir Aumentar

    Quando entram no cio, as vacas ficam agitadas e nervosas, e tentam montar em fêmeas que estão na mesma situação.

    Quando entram no cio, as vacas ficam agitadas e nervosas, e tentam montar em fêmeas que estão na mesma situação.

    No regime de monta natural, um touro pode servir até 100 vacas por ano. A industrialização do sêmen de igual número de montas, entretanto, pode produzir cerca de 30.000 doses de sêmen/ano. A multiplicação do material reprodutivo e a facilidade de transporte viabilizam o uso de touros geneticamente superiores a baixo custo. Essa é uma forma de acelerar o melhoramento genético e aumentar a eficiência produtiva.

    O sêmen bovino dos reprodutores de alto mérito genético é processado nas centrais de sêmen, onde os animais passam por um rigoroso controle sanitário e nutricional. É preciso adotar uma política de melhoria constante e consistente do rebanho, à medida que o manejo também é apurado. De nada adiantará gerar bezerras de alto padrão, se as condições de manejo não evoluírem proporcionalmente, não permitindo que esses animais expressem seu potencial produtivo.

    Depois que se adota a inseminação, a detecção do cio tem que ser feita de forma alternativa, surgindo a necessidade de técnicas para reconhecimento do cio entre as vacas. Segundo o professor Dr. Luis Fonseca Matos, no curso Inseminação Artificial em Bovinos – Convencional e em Tempo Fixo, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, “um recurso muito utilizado é o rufião, um macho inteiro, que monta mas não consegue fazer a penetração, porque tem o pênis bloqueado dentro do prepúcio ou desviado lateralmente”.

    Outra possibilidade é o uso de fêmeas que repetem cio ou mesmo androgenizadas, ou seja, tratadas com hormônios masculinos. “A forma mais simples, porém, é a observação da monta entre fêmeas. Quando entram no cio, elas ficam agitadas e nervosas, e tentam montar em fêmeas que estão na mesma situação. Se estiver em cio, a vaca aceita a monta”, afirma o professor.

    O intervalo médio de repetição de cio é de 21 dias, podendo variar de 17 a 24 dias. A duração é de 10 a 18 horas. A correta observação durante esse período é fundamental para o sucesso da inseminação.

     


    AVISO LEGAL

    Este conteúdo pode ser publicado livremente, no todo ou em parte, em qualquer mídia, eletrônica ou impressa, desde que contenha um link remetendo para o site www.cpt.com.br.

    Cursos Relacionados

    Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo

    Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5626

    Saiba Mais

    Curso Avaliação, Julgamento e Preparo de Vacas Leiteiras para Eventos

    Curso Avaliação, Julgamento e Preparo de Vacas Leiteiras para Eventos

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5561

    Saiba Mais

    Curso Técnicas Simples para Produzir Mais Leite e Mais Bezerros

    Curso Técnicas Simples para Produzir Mais Leite e Mais Bezerros

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5123

    Saiba Mais

    Curso Melhoramento Genético de Gado de Leite

    Curso Melhoramento Genético de Gado de Leite

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5366

    Saiba Mais



    Deixe seu comentário

    Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

    O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.

    Comentários

    Murilo
    19-11-2014

    Boa tarde,

    tenho uma novilha de 20 meses que já entra no cio desde 15 meses, já foi inseminada duas vezes uma há 3 meses e outra fazem 31 dias. Esta ultima inseminação foi feita sincronizando o cio (sincrosin), na época ela entrou no cio no 6 dia e foi inseminada, agora após 31 dias (da inseminação) ela entrou no cio???????? Oque fazer? Esse cio, pode ser um cio falso, ou alguma coisa do gênero?
    Grato pela atenção!
    Murilo

    Resposta do Portal Cursos CPT
    20-11-2014

    Olá, Murilo!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

    Seria interessante você consultar um veterinário de sua confiança para mais informações.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos

    Gildo Lyone Antunes de Oliveira
    07-11-2014

    Gostei de ler o material. Porém tenho uma dúvida: uma vaca com mais de 7 meses de prenhez pode ficar no cio e deixar o boi montá-la?

    Resposta do Portal Cursos CPT
    10-11-2014

    Olá, Gildo!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

    Para mais informações recomendamos que consulte um médico veterinário.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos

    itamar souza freitas
    25-03-2013

    tenho uma vaca com bezerro de 6 meses,como devo proceder para saber se minha vaca esta prenha.

    Resposta do Portal Cursos CPT
    25-03-2013

    Olá, Itamar!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.


    Alguns métodos são utilizados para detecção de prenhez nas vacas, são eles: não retorno do cio, palpação retal e níveis de progesterona no leite.

    * Não retorno do cio: uma vaca e declarada prenha se ela não teve cio detectado nos últimos 60 dias (tempo de três ciclos estrais);

    *Palpação retal: um veterinário pode usar o exame de palpação retal 40 a 60 dias depois da inseminação para detectar o feto no útero, outras estruturas relacionadas com a gestação é a presença do corpo lúteo no ovário;

    * Progesterona no leite: durante a prenhez, os ciclos estrais são interrompidos pela presençã do corpo lúteo que continua produzindo progesterona durante toda a prenhez. A persistência da progesterona no leite 21 a 23 dias após a inseminação pode ser utilizada como uma ferramenta para diagnóstico da prenhez.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos

    Raildo Pereira da Silva
    25-06-2012

    Gostei muito das informações e conhecimentos aqui adquiridos. Gostaria de
    ficar sempre bem informado a respeito dos cursos e novos estudos do CPT.

    Resposta do Portal Cursos CPT
    26-06-2012

    Olá, Raildo!

    Que bom que gostou das informações do nosso portal.

    Para receber mais informações, cadastramos seu e-mail em nosso Boletim Informativo. Semanalmente, você ficará por dentro das novidades nas mais diversas áreas do conhecimento.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos


    Mais Notícias sobre diversas áreas do conhecimento




    O CPT liga para você!





    Exemplo: 31 38997000