Principais doenças da mandioca

A bacteriose causada por xanthomonas campestris pv. manihotis é considerada a doença mais importante da mandioca

Nas folhas, os sintomas são lesões locais inicialmente angulares e de aspecto encharcado.

Nas folhas, os sintomas são lesões locais inicialmente angulares e de aspecto encharcado.

Na cultura da mandioca já foram identificados mais de 20 patógenos, sendo que alguns são mais frequentes e causam danos mais severos. As doenças podem ser causadas por fungos, bactérias, vírus ou protozoário.

A antracnose é causada pelo fungo colletotrichum gloeosporioides. Na cultura da mandioca ocorrem dois tipos de antracnose, a branda e a severa. Os sintomas da forma branda são lesões nas hastes e folhas, causadas por outros patógenos e pragas, ou seca de ramos terminais no final da estação de crescimento, sem causar danos à produtividade da cultura.

Já a antracnose severa provoca sérios danos. Os sintomas da doença aparecem em folhas, pecíolos e caule. Na base das folhas, as manchas são de aproximadamente 1,0 cm de diâmetro, e as fazem cair. Na haste, o fungo provoca cancros profundos, desfolha intensa e morte dos ponteiros. O controle é feito por meio da poda parcial das hastes afetadas e da queima das ramas contaminadas. Outro cuidado é o uso de variedades resistentes à doença.

De acordo com a professora da Unesp, Dr. Marney Pascoli Cereda, no curso Cultivo de Mandioca, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, “a bacteriose causada por xanthomonas campestris pv. manihotis é considerada a doença mais importante da mandioca. Nas folhas, os sintomas são lesões locais inicialmente angulares, de aspecto encharcado, cor de palha na face superior e azulada na face inferior. Atingindo o sistema vascular, a bacteriose caracteriza-se pela morte dos brotos novos, escurecimento vascular, murcha e exsudação de goma na haste, chegando, em alguns casos, à morte das plantas”.

As manivas infectadas são responsáveis pela manutenção e disseminação da doença, conservando o patógeno de um ano para outro e o carregando de uma área para outra. A professora Cereda, que também é pesquisadora do CERAT - Centro de Raízes e Amidos Tropicais, afirma que “a rotação de culturas é uma prática recomendada para o controle, quando o novo plantio é feito com manivas sadias. Um intervalo de seis meses na ausência de hospedeiros é suficiente para evitar a sobrevivência do patógeno”.

O uso de material propagativo sadio é a forma mais eficaz de controle. Esse material pode ser obtido pelo enraizamento de estacas jovens, sem sintomas, em áreas isoladas. No preparo das estacas para plantio, é recomendado desinfestar as ferramentas com hipoclorito de sódio a 2%.

Por: Ariádine Morgan

Cursos Relacionados

Curso Processamento Mínimo de Frutos e Hortaliças Curso Processamento Mínimo de Frutos e Hortaliças

Com Prof.ª Dr.ª Maria Isabel Chitarra

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais
Curso Como Montar e Operar uma Pequena Fábrica de Vegetais Desidratados Curso Como Montar e Operar uma Pequena Fábrica de Vegetais Desidratados

Com Prof. Dr. Paulo Stringheta e Prof. Pedro Meloni

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais
Curso Cultivo de Mandioca Curso Cultivo de Mandioca

Com Prof.ª Dr.ª Marney Pascoli Cereda

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais
Curso Processamento de Mandioca - Polvilho Azedo, Fécula, Farinha e Raspa Curso Processamento de Mandioca - Polvilho Azedo, Fécula, Farinha e Raspa

Com Prof.ª Dr.ª Marney Pascoli Cereda

R$ 298,00 à vista ou em até 10x de R$ 29,80 sem juros no cartão + frete

Saiba mais

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

José Manoel

13/06/2014

Boa noite eu gostaria de saber como se combate a broca da raiz da mandioca, pois esta causando grandes prejuízos. Atrapalhando a comercialização

Resposta do Portal Cursos CPT

29/06/2016

Olá, José Manoel!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Os principais gêneros e espécies de brocas são: Chilomina sp., Coelosternus sp., Sternocoelus granicollis, S. manihoti, Cryptorhynchus rugicollis e Lagochirus sp.

O ataque moderado de espécies  de Chilomina pode nãoa carretar perdas nor endimento de raízes, mas afeta a qualidade e quantidade de material de plantio. A infestação pode ocorrer durante o armazenamento do material para plantio. o controle da Chilomina pode ser feito pela destruição das ramas atacadas e pela seleção do material de plantio.

As larvas das espécies de Coelosternus sp. penetram na medula das ramas e se alimenta em direção à base da planta. Causam o secamento das ramas do ponto de ataque até os ponteiros, podendo causar a sua morte. Para o controle, é recomendada a destruição de restos da cultura e o uso de ramas sadias.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

 

jose augusto martins octav

24/03/2013

Boa noite, eu tenho uma plantação de mandioca, e no sábado deu um vento muito forte e acabou derrubando muitos pés, eu queria saber se é melhor arrancar tudo ou esperar mais pois a plantação tem 6 meses. O q devo fazer obrigado.....

Resposta do Portal Cursos CPT

29/06/2016

Olá, José Augusto!

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

Recomendamos que espere um pouco mais antes de arrancar as mandiocas que se mantiveram em pé.

Para mais informações o CPT - Centro de Produções Técnicas possui o curso Cultivo de Mandioca que poderá lhe auxiliar.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

João Paulo da Silva Andrade

01/12/2012

Gostaria de saber sobre cursos da cultura da mandioca e sobre fitopatologia.

Resposta do Portal Cursos CPT

29/06/2016

Olá, João Paulo!

Nossas consultoras entrarão em contato para mais informações sobre os curso.

Atenciosamente,

Ana Carolina dos Santos

Amanda da Silva Maia

16/05/2012

Olá! Queria saber qual o controle químico da doença antracnose ou um meio de detê-la, sendo que a doença está presente há mais ou menos 1 ano na plantação. Peço, por favor, que me mandem uma resposta o mais rápido possível, pois a doença já está afetando a raiz, não proporcionando o seu cozimento. Obrigada!

Resposta do Portal Cursos CPT

29/06/2016

Boa tarde, Amanda!

Sugerimos que você entre em contato com um engenheiro agrônomo, pois somente um especialista poderá indicar o procedimento ideal. Além disso, o clima e o solo de cada região possuem características particulares que interferem diretamente no tipo de tratamento que deve ou não ser adotado.

Para mais esclarecimentos, entre em contato conosco!

Camila Guimarães Ribeiro

Mais Notícias sobre diversas áreas do conhecimento

Atendimento Online
Quer Facilidade