Atendimento Online

    Nós apoiamos a Campanha Internacional de Combate ao Câncer de Mama
    / / / Como aplicar medicamentos em bovinos
    Artigos que abordam as diversas áreas do conhecimento

    Como aplicar medicamentos em bovinos

    O método de administração dos medicamentos depende da rapidez com que se deseja a ação da droga, da natureza e quantidade da droga a ser administrada

    Gostou? Envie a um amigo
    Tamanho da letra Diminuir Aumentar

    Manejo de bovinos

    As práticas de manejo de bovinos deverão incluir ações que permitam prever as medidas a qualquer sinal de sofrimento ou doença

    As práticas de manejo de bovinos deverão incluir ações que permitam prever as medidas sanitárias, que abranjam todo o ciclo anual de produção e incluir estratégias que previnam, tratem ou limitem possíveis problemas existentes de doenças. Nesse caso, todos os tratadores deverão estar familiarizados com o comportamento normal dos animais e tomar medidas necessárias a qualquer sinal de sofrimento ou doença.

    Além disso, o tratador deve conseguir identificar sinais de doença nos bovinos, que incluem:

     

    •   Apatia;

    •   Isolamento do grupo;

    •   Comportamento fora do comum;

    •   Alterações na condição física;

    •   Falta de apetite;

    •   Quebra repentina na produção;

    •   Espirros;

    •   Diarreia;

    •   Ausência de ruminação;

    •   Corrimento nasal e/ou ocular;

    •   Produção de saliva em excesso;

    •   Tosse persistente;

    •   Respiração rápida ou irregular;

    •   Comportamento anormal em descanso;

    •   Articulações inchadas;

    •   Claudicações;

    •   Mamites.

    Contenção de bovinos

     

    A prática de contenção de bovinos é extremamente necessária e utilizada regularmente em todos os locais onde se trabalhe com esses animais. Tanto os técnicos, fazendeiros, peões, médicos veterinários ou qualquer um que necessite que os animais fiquem, total ou parcialmente contidos ou imobilizados, terão de adotar procedimentos de contenção.

     

    Trata-se de um procedimento realizado em qualquer animal para os mais diversos fins, como por exemplo, a necessidade de um simples exame, a aplicação de medicamentos, o abate, entre outros. Em um grande bovino, ou mesmo em bezerros, esses procedimentos requerem técnicas mais específicas, pois não é nada fácil imobilizar um touro.

     

    No caso dos bovinos, os métodos de contenção mais utilizados são aqueles destinados à prevenção de coices, imobilização para descorna, coleta de sêmen, castração, entre outros”, afirma o professor Pacífico Antônio Diniz Belém, do curso Enquanto o Veterinário não Chega – Atendimento a Bovinos, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

     

    De modo geral, os bovinos leiteiros são mais dóceis e calmos, mas não se deve confiar nos touros. Mesmo o bovino considerado como de índole pacífica, deve ser contido com firmeza, pois não merece confiança, sendo, por vezes, traiçoeiro. E mesmo os animais que já estão acostumados à contenção, quando manuseados, ficam assustados ou com medo, tornando-se inquietos e agressivos.

    Todas as vezes que for necessário conter um bovino, se isto for feito com ele em pé, deve-se, colocá-lo em um tronco imobilizador ou brete, e, se necessário derrubá-lo em local limpo, macio, usando-se o mínimo de força física possível, para que ele não caia bruscamente, evitando simples escoriações ou, até mesmo, fraturas.

     

    São muitas as formas de contenção, as quais utilizam cordas, guias nasais, esteios, cercas, piquetes, cangalhas, entre outros. Cada método deve ser utilizado corretamente, apenas visando a tarefa a ser realizada. O cuidado é muito importante, para que não aconteçam acidentes que venham a machucar ou ferir o animal.

     

    A escolha das agulhas para injeção intramuscular leva em consideração a densidade ou viscosidade da droga, o tamanho do bovino e a profundidade desejada para injeção. Foto: reprodução

    Principais vias de administração de medicamentos

     

    O método de administração dos medicamentos em bovinos depende da rapidez com que se deseja a ação da droga, da natureza e quantidade da droga a ser administrada, da necessidade do efeito (sistêmico ou localizado) e das condições do paciente. As condições do paciente determinam, muitas vezes, a via de administração de certas drogas.

     

    Via oral

     

    A ingestão é o método mais comum de prescrição de um medicamento. Além disso, é o mais seguro, mais conveniente e o mais econômico.

     

    Vantagens:

    •   Não apresenta risco de transmissão de algumas doenças;

    •   Possibilidade de administração de grandes quantidades;

    •   Uso restrito a medicamentos com ação no rúmen, como, por exemplo, alguns anti-helmínticos;

    •   Possibilidade de adicionar medicamentos na ração.

    Via intravenosa

     

    A veia mais utilizada para injeção intravenosa é a veia jugular. Às vezes, faz-se o uso da veia safena quando há trombose da veia jugular bilateral ou quando o animal está muito desidratado. Antes de qualquer venipunção, deve-se umedecer a pele e o pelame sobrejacente e alisá-lo com álcool. Isola-se a veia por meio da pressão digital proximal ao coração, a partir do local de venipunção. O tamanho e o calibre das agulhas devem ser em relação à veia, à viscosidade e ao volume da droga e à duração de tempo prevista para a administração; geralmente é de 35 x 12.

     

    Vantagens:

    •   Obtenção rápida de efeitos;

    •   Possibilidade de administração de grandes volumes, em infusão lenta;

    •   Possibilidade de administração de substâncias irritantes, devidamente diluídas;

    •   Melhor controle da dose administrada.

    Via intramuscular

     

    As regiões mais utilizadas são os músculos da coxa, ou da tábua do pescoço. O volume de droga administrado em um local não deve ser maior que 5ml. Deve-se intercalar os locais de aplicação, face direita e esquerda. A escolha das agulhas para injeção intramuscular leva em consideração a densidade ou viscosidade da droga, o tamanho do paciente e a profundidade desejada para injeção. As agulhas de calibre demasiadamente estreito prolongam o tempo necessário para a injeção, causando frequente aumento da pressão, da inquietação ou do escoiceamento do animal. As agulhas de calibre grande permitem vazamento da droga administrada a partir do local e provocam mais sangramento. Utilizam-se agulhas 25 x 8.

     

    Vantagens:

    •   Absorção relativamente rápida:

    •   Adequada para administração de volumes moderados, de veículos aquosos, oleosos ou suspensões.

    Via subcutânea

     

    Os locais recomendados para a injeção subcutânea é na região da tábua do pescoço e na parede do tórax, aproximadamente 5 cm atrás do ombro, onde se pode puxar facilmente a pele solta. Durante a injeção, deve-se comprimir a vesícula subcutânea do fluido e espalhá-la para distribuição deste, melhorar a absorção e reduzir vazamento após remoção da agulha. Para acelerar a administração, deve-se usar uma agulha de calibre maior. Agulhas longas aumentam o risco de injeção intramuscular, assim, utiliza-se a 25 x 8.

     

    Vantagens:

    Quando é necessário que um medicamento seja absorvido de forma lenta e contínua.

     

    Via intramamária

     

    Esta via é utilizada normalmente para o tratamento das inflamações das glândulas mamárias, mais frequentemente no tratamento de mastite bovina. Quando infusões intramamárias são determinadas, deve-se esgotar o leite, limpar e desinfetar rigorosamente o teto. Injetar o conteúdo e massagear suavemente o teto de baixo para cima para que o medicamento atinja as regiões mais altas. Quando apenas um teto está acometido, utiliza-se primeiro 1/5 da seringa no teto não acometido e depois 4/5 no teto acometido por no mínimo 5 dias. O tamanho da cânula a ser introduzida através do teto tem sido muito estudado e recomenda-se o uso de cânulas curtas de 2 a 3 mm de comprimento ou, caso não se tenham disponíveis destas, fazer a inserção parcial da cânula tradicional.

     

    Via intrauterina

     

    Esta via é utilizada normalmente quando ocorre alguma inflamação uterina devido a problemas de parto causados, na maioria dos casos, por eventos que alterem a involução uterina normal, como a falta de higiene, os partos distócicos, as manobras obstétricas, a retenção de placenta, a atonia uterina, a má condição nutricional ou de saúde, o abortamento, a endometrite, o parto prematuro ou o sêmen contaminado entre outros. A aplicação de medicamentos via intrauterina é feita com a mesma pipeta que se faz inseminação artificial. Lembre-se de que este tipo de tratamento deve ser feito por um médico veterinário ou por um profissional treinado.

     

    Confira mais informações, acessando os cursos da área Produção Orgânica de Leite.

     

    Por Andréa Oliveira


    AVISO LEGAL

    Este conteúdo pode ser publicado livremente, no todo ou em parte, em qualquer mídia, eletrônica ou impressa, desde que contenha um link remetendo para o site www.cpt.com.br.

    Cursos Relacionados

    Curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Bovinos

    Curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Bovinos

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5091

    Saiba Mais

    Curso Produção de Leite Orgânico

    Curso Produção de Leite Orgânico

    R$ 149,00 à vista ou em até 10x de R$ 14,90
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5380

    Saiba Mais

    Curso Manejo Homeopático para Gado de Leite

    Curso Manejo Homeopático para Gado de Leite

    R$ 118,00 à vista ou em até 10x de R$ 11,80
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5222

    Saiba Mais

    Curso Pastoreio Voisin para Gado de Leite

    Curso Pastoreio Voisin para Gado de Leite

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5263

    Saiba Mais

    Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo

    Curso Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5626

    Saiba Mais

    Curso Alimentação de Gado de Corte

    Curso Alimentação de Gado de Corte

    R$ 285,00 à vista ou em até 10x de R$ 28,50
    sem juros no cartão + frete.

    Cód. 5474

    Saiba Mais



    Deixe seu comentário

    Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

    O CPT garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.

    Comentários

    irineu andrade
    03-08-2014

    Gostaria de receber noticias e novidades sobre novos cursos no meu e-mail.

    Resposta do Portal Cursos CPT
    05-08-2014

    Olá, Irineu!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

    Para mais informações cadastramos seu e-mail para receber nosso boletim informativo.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos

    Eliardo Davidson Noronha Torquato Costa
    24-09-2013

    Essa fonte mim ajudou muito, porque meu gado estava doente e eu estava sem opção e mim indicaram esse site encontrei varias formas de vacinar meu rebanho.

    Resposta do Portal Cursos CPT
    24-09-2013

    Olá, Eliardo!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos

    carlos veiga dos santos
    25-05-2013

    Muito bom ótimo.

    Resposta do Portal Cursos CPT
    27-05-2013

    Olá, Carlos Veiga!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

    Não deixe de acessar para ficar por dentro de conteúdo em sua área de interesse.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos

    Nivaldo candido de santana
    29-12-2012

    Muito importante para quem não tem o conhecimento técnico assim como eu, aprendi muito e vou trabalhar utilizando meios corretos.

    Resposta do Portal Cursos CPT
    31-12-2012

    Olá, Nivaldo!

    Agradecemos sua visita e comentário em nosso site.

    Atenciosamente,

    Ana Carolina dos Santos


    Outros artigos relacionados à área Produção Orgânica de Leite






    O CPT liga para você!





    Exemplo: 31 38997000